DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E VALOR DE EMPRESAS LISTADAS NA B3

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/asaa.2021140301

Palavras-chave:

dividendos, valor de empresas, relevância dos dividendos

Resumo

Objetivo: Pela tendência dos mercados de ações internacionais sugere-se que empresas que não distribuem dividendos são mais bem avaliadas pelo mercado do que empresas que efetuam uma pequena distribuição de lucros, enquanto as empresas com maiores distribuições de dividendos são melhor avaliadas. Esse cenário na literatura foi descrito como Relação em “Formato J”. De posse desse aspecto de mercado, este estudo objetivou identificar se há a existência do “Formato J” na relação entre dividendos e valor das empresas no mercado de capitais brasileiro.

Método: Dividiu-se uma amostra de 3.556 observações de 271 empresas, no período de 1996 a 2018, entre empresas não pagadoras de dividendos (DIV0) e pagadoras de dividendos, sendo essas últimas divididas em cinco grupos classificados de acordo com o dividendo distribuído (DIV1 a DIV5). Realizou-se a análise do formato da relação através das medianas dos grupos e os testes estatísticos para se estabelecer a relação estatística entre o dividendo distribuído e o valor das empresas (q de Tobin).

Resultados: Foi constatado que o mercado brasileiro não apresenta o “Formato J”. Dessa forma, as empresas não pagadoras de dividendos apresentaram piores valores do que aquelas que distribuíram dividendos aos acionistas - sendo que apresentaram melhores valorizações as empresas que distribuíram maiores volumes de lucros aos detentores de ações. Adicionalmente, confirmou-se a relevância dos dividendos no valor das empresas no mercado brasileiro.

Contribuições: O trabalho avança na discussão de dividendos e valor de empresas no Brasil ao propor uma nova abordagem estatística ao tema, categorizando empresas por suas políticas distintas de distribuições de lucro e evidenciando a clientela pró-dividendos no mercado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Amorim, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Nivel IV na UEMG/Carangola. Departamento de administração. Mestre em Controladoria (PPGCC/UFU). Especialista em Controladoria e Finanças (DAD/UFV). Bacharel em Administração (FIC).

Nilton César Lima, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor e Mestre em Administração pela Universidade de São Paulo (FEA/USP). Especializações em Planejamento Tributário, Contabilidade e Auditoria; e, Docência no Ensino Superior. Graduações em Ciências Contábeis e Ciências Econômicas (UNESP). Pós-doutorando na Universidade Tecnológica Federal do Paraná no Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Desenvolvimento. Atuações profissionais em organizações industriais e de tecnologia genética. Desde 2000 atua com docência, passando por diversas instituições privadas e públicas de ensino superior. Atualmente é Professor Associado da Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia (FACIC/UFU), onde também atua no Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis com orientações no mestrado e doutorado. Diretor FACIC/UFU entre os anos de 2015 a 2018. Membro do Núcleo Docente Estruturante da FACIC/UFU, entre os anos de 2013-2018. Membro do Conselho Universitário da Universidade Federal de Uberlândia (2015-2018). Membro do Conselho Diretor da Universidade Federal de Uberlândia (2015-2018). Atuou na direção de Unidade e Comissão de Elaboração da Proposta de Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em nível de Doutorado em Ciências Contábeis - FACIC/UFU. Líder do Grupo de Estudos em Avaliação Econômico-Financeira & Inovações Decisórias, com pesquisas abrangendo: governança corporativa, compliance, accountability, valuation, economia fiscal corporativa, business plan, e decisões empreendedoras. Avaliador do Inep/MEC e Revisor de Itens BNI/Enade do curso de Ciências Contábeis.

Antônio Carlos Brunozi Júnior, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Ciências Contábeis pela Unisinos e Mestre em Administração Pública pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Atualmente é professor adjunto na Universidade Federal de Viçosa - vinculado ao Departamento de Administração e Contabilidade (DAD). É professor com atuação no Programa de Pós-graduação em Administração, com concentração em Administração Pública, da Universidade Federal de Viçosa. Atualmente, é coordenador do Curso de Ciências Contábeis da UFV, lecionando nas áreas de Contabilidade Societária (Financeira). Tem interesse em pesquisas nas áreas de Book Tax Differences, Earnings Quality no segmento privado, bem como investigações sobre a Contabilidade e a Qualidade das Informações no âmbito público.

Referências

Assaf Neto, A.; Ambrozini, M. A. & Lima, F. G. (2007) Dividendos: teoria e prática. Ribeirão Preto, SP: Inside Books.

Baker, H. K. & Powell, G. E. (1999) How corporate managers view dividend policy. Quarterly Journal of Business and Economics, 38(17), 17-35. Recuperado em 26 março, 2019, de www.jstor.org/stable/40473257.

Baker, H. K. & Weigand, R. (2015) Corporate Dividend Policy Revisited. Managerial Finance, 41(2), 126-144. https://doi.org/10.1108/MF-03-2014-0077.

Baker, M. & Wurgler, J. (2004) A catering theory of dividends. The Journal of Finance, 59(3), 1125-1165. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2004.00658.x.

Baskin, J. (1989) Dividend policy and the volatility of common stock. Journal of Portfolio Management, 15(3), 19-25. https://doi.org/10.3905/jpm.1989.409203

Beaver, W. H.; Mcanally, M. L. & Stinson, C. H. (1997) The Informational Content of Earnings and Prices: A simultaneous Equations Approach. Journal of Accounting and Economics, 23(1), 53-81. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(96)00424-7.

Bezawada, B. & Tati, R. K. (2017) Dividend policy and firm valuation – a study of Indian electrical equipment manufacturing industry. Theoretical Economics Letter, 7, 1233-1243. https://doi.org/10.4236/tel.2017.75083.

Black, F. (1976) The dividend puzzle. Journal of Portfolio Management, 2(2), 5-8. https://doi.org/10.3905/jpm.1976.408558.

Black, F. & Scholes, F. (1974) The Effects of Dividend Yield and Dividend Policy on Common Stock Prices and Returns. Journal of Financial Economics, 1(1), 1-22. https://doi.org/10.1016/0304-405X(74)90006-3

Brasil. Lei n. 10.303, de 31 de outubro de 2001. Recuperado em 16 agosto, 2018, de www.planalto.gov.br.

Brasil. Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Recuperado em 16 agosto, 2018, de www.planalto.gov.br.

Brasil. Lei n. 9.249, de 26 de dezembro de 1995. Recuperado em 26 novembro, 2018, de www.planalto.gov.br.

Correia, L. F. & Amaral, H. F. (2002) O impacto da política de dividendos sobre a rentabilidade de títulos negociados na Bovespa no período de 1994 a 2000. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, 26.

Dalmacio, F. Z. & Corrar, L. J. (2007) A concentração do controle acionário e a política de dividendos das empresas listadas na Bovespa: uma abordagem exploratória à luz da teoria de agência. Revista de Contabilidade e Organizações, 1(1), 16-29. https://doi.org/10.11606/rco.v1i1.34694.

DeAngelo, H.; DeAngelo, L. & Skinner, D. J. (2008) Corporate Payout Policy. Foundations and Trends in Finance, 3(2-3), 95-287. https://doi.org/10.1561/0500000020.

Dhaliwal, D.; Erickson, M. & Trezevant, R. (1999) A test of the theory of tax clienteles for dividend policies. National Tax Jounal, 52(2), 179-194. Recuperado em 20 dezembro, 2018, de https://www.jstor.org/stable/41789388.

Duarte, F. C. L.; Girão, L. F. A. P. & Paulo, E. (2017) Avaliando modelos lineares de value relevance: eles captam o que deveriam captar? Revista de Administração Contemporânea, 21, 110-134. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017160202

Easterbrook, F. H. (1984) Two agency-cost explanations of dividends. American Economic Review, 74(4), 650-659. Resgatado em 26 março, 2019, de www.jstor.org/stable/1805130.

Ehrhardt, M. C.; Brigham, E. F. (2014) Administração financeira: teoria e prática. São Paulo: Cengage Learning.

Elton, E. J. & Gruber, M. J. (1970) Marginal stockholder tax rate and the clientele effect. The Review of Economics and Statistics, 52(1), 68-74. https://doi.org/10.2307/1927599.

Fama, E. F. & French, K. R. (1998) Taxes, Financing Decisions, and Firm Value. The Journal of Finance, 53(3), 819-843. Recuperado em 19 outubro, 2018, de https://www.jstor.org/stable/117379.

Ferreira Junior, W. O.; Nakamura, W. T.; Martin, D. M. L. & Bastos, D. D. (2010) Evidências empíricas dos fatores determinantes das políticas de dividendos das firmas listadas na Bovespa. FACEF, 13(2). Recuperado em 9 março, 2019, de www.academia.edu/30716999/Evid%C3%A Ancias_Emp%C3%ADricas_Dos_Fatores_Determinantes_Das_Pol%C3%ADticas_De_Dividendos_Das_Firmas_Listadas_Na_Bovespa.

Forti, C. A. B.; Peixoto, F. M. & Alves, D. L. (2015) Fatores determinantes do pagamento de dividendos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 26(68), 167-180. https://doi.org/10.1590/1808-057x201512260.

Gordon, M. J. (1959) Dividends, earning, and stock prices. Review of Economics and Statistics, 41(2), 99-105. https://doi.org/10.2307/1927792.

Gordon, M. J. (1963) Optimal investment and financing policy. Journal of Finance, 18(2), 264-272. https://doi.org/10.2307/2977907.

Gugler, K. & Yurtoglu, B. B. (2003) Corporate governance and dividend pay-out policy in Germany. European Economic Review, 47(4), 731-758. https://doi.org/10.1016/S0014-2921(02)00291-X.

Harada, K. & Nguyen, P. (2003) Ownership concentration, agency conflicts, and dividend policy in Japan. Journal of Finance, 55, 1-33. https://doi.org/10.2139/ssrn.953433.

Hardin, W. & Hill, M. D. (2008) REIT Dividend determinants: excess dividends and capital market. Real Estate Economics, 36(2), 349-369. https://doi.org/10.1111/j.1540-6229.2008.00216.x.

Holder, M. E.; Langrehr, F. W. & Hexter, J. L. (1998) Dividend policy determinants: an investigation of the influences of the stakeholder theory. Financial Management, 27(3), 73-82. https://doi.org/10.2307/3666276.

Jensen, M. C. & Meckling, W. H. (1976) Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X.

Kim, S.; Park, S. H. & Suh, J. (2016) A J-shapped cross-sectional relationship between dividends and firm value. Journal of Corporate Finance, 48, 857-877. https://doi.org/0.1016/j.jcorpfin.2016.09.010.

Lintner, J. (1956) Distribution of incomes of corporations among dividends, retained earnings and taxes. American Economic Review, 46(2), p. 97-113. Resgatado em 20 agosto, 2018, de https://www.jstor.org/stable/pdf/1910664.pdf.

Litzenberger, R. H. & Ramaswamy, K. (1982) The Effects of Dividends on Common Stock Prices Tax Effects or Information Effects? The Journal of Finance, 37(2), 429-443. https://doi.org/10.2307/2327346.

Lloyd, W. P.; Jahera, J. S. & Page, D. E (1985). Agency costs and dividend payout ratios. The Financial Review, 20(3), 78-78. https://doi.org/10.1111/j.1540-6288.1985.tb00256.x.

Loss, L. & Sarlo Neto, (2006) A. O Inter-relacionamento entre Políticas de Dividendos e de Investimentos: Estudo Aplicado às Companhias Brasileiras Negociadas na Bovespa. Revista de Controladoria e Finanças, 40, 52-66. https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000100005.

Marques, T. A.; Guimarães, T. M. & Peixoto, F. M. (2015) A concentração acionária no Brasil: análise dos impactos no desempenho, valor e risco das empresas. Revista de Administração Mackenzie, 16(4), 100-133. https://doi.org/10.1590/167869712015/administracao.v16n4p100-133

Miller, M. H. & Modigliani, F. (1961) Dividend Policy, Growth, and the Valuation of Shares. The Journal of Business, 34(4), 411-433. Resgatado em 12 novembro, 2018, de www.jstor.org/stable/2351143.

Modigliani, F. & Miller, M. H. (1963) Corporate income taxes and the cost of capital: A correction. American Economic Review, 53(3), 422-443. Resgatado em 13 agosto, 2018, de www2.bc.edu.

Moser, W. J. & Puckett, A. (2009) Dividend Tax Clienteles: Evidence from Tax Law Changes. The Journal of the American Taxation Association, 31(1), 1-22. https://doi.org/10.2308/jata.2009.31.1.1.

Naranjo, A.; Nimalendran, M. & Ryngaert, M. (1998) Stock Returns, Dividend Yields, and Taxes. The Journal of Finance, 53(6), 2029-2057. https://doi.org/10.1111/0022-1082.00082.

Pinkowitz, L.; Stulz, R. & Williamson, R. (2006) Does the Contribution of Corporate Cash Holdings and Dividends to Firm Value Depend on Governance? A Cross-country Analysis. The Journal of Finance, 61(6), 2725-2751. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2006.01003.x.

Rappaport, A. (2001) Gerando valor para o acionista. São Paulo: Atlas.

Ribeiro, A. (2010) Determinantes da política de dividendos: evidência empírica para as empresas não financeiras cotadas na Euronext Lisbon. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 9(1-2), 15-25, 2010. Resgatado em 30 abril, 2019, de www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S1645-44642010000100003.

Rodrigues, R. L. & Ambrozini, M. A. (2016) Teoria de Agência e políticas de dividendos: evidências nas empresas brasileiras de capital aberto no período de 2000 a 2013. Anais do XLIII Encontro Nacional de Economia. Rio de Janeiro, ANPEC, 43.

Ross, S. A.; Westerfield, R. W. & Jaffe, J. F. (2008) Administração Financeira. (2ª. ed, 7ª. reimp.). São Paulo: Atlas.

Santos, J. F. & Galvão, K. S. (2015) Política de dividendos e seus fatores determinantes: evidenciando a ausência de consenso teórico-empírico. Revista FAE, 18(1), 52-69. Resgatado em 22 novembro, 2019, de https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/31.

Shavell, S. (1979) Risk sharing and incentives in the principal and agent relationship. Bell Journal of Economics, 10, 55-73. https://doi.org/10.2307/3003319

Shefrin, H. M. & Statman, M. (1984) Explaning investor preference for cash dividends. Journal of Financial Economics, 13(2), 253-282. https://doi.org/10.1016/0304-405X(84)90025-4.

Shleifer, A. & Vishny, R. (1986) Large shareholders and corporate control. Journal of Political Economy, 94, 461-488. Resgatado em 30 agosto, 2018, de www.jstor.org/stable/1833044.

Silva Júnior, C. P. & Machado, M. A. (2015) A influência da política de dividendos sobre a volatilidade das ações. Revista de Contabilidade e Controladoria, 7(3), 8-20. https://doi.org/10.5380/rcc.v7i3.36698.

Van Horne, J. C. (1998) Financial management and policy (1 ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

Vancin, D. F. & Procianoy, J. L. (2016) Os Fatores Determinantes do Pagamento de Dividendos: o Efeito do Obrigatório Mínimo Legal e Contratual nas Empresas Brasileiras. Revista Brasileira de Finanças, 14(1), 89-123. Resgatado em 17 julho, 2018, de www.lume.ufrgs.br.

Zanon, A. R. M.; Araújo, C. G. & Nunes, A. (2017) Influência da Política de Dividendos no Valor de Mercado das Empresas Brasileiras. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(3), 326-339. https://doi.org/10.18028/rgfc.v7i3.3844.

Publicado

05/12/2021

Como Citar

de Amorim, G., Lima, N. C., & Brunozi Júnior, A. C. (2021). DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E VALOR DE EMPRESAS LISTADAS NA B3. Advances in Scientific and Applied Accounting, 14(3), 003–018/019. https://doi.org/10.14392/asaa.2021140301

Edição

Seção

ARTIGOS