EFEITO DAS CRENÇAS DE AUTOEFICÁCIA NO COMPORTAMENTO CIDADÃO E CONTRAPRODUCENTE DOS ACADÊMICOS DE CONTABILIDADE

Autores

  • Iago França Lopes Universidade Federal do Paraná
  • Alison Martins Meurer Universidade Federal do Paraná
  • Simone Bernardes Voese Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Crenças de autoeficácia, Comportamento Cidadão, Comportamento Contraproducente, Acadêmicos de Contabilidade.

Resumo

Reconhecer como variáveis psicológicas têm influenciado o processo de ensino-aprendizagem apresenta-se como um direcionamento contemporânea para as pesquisas no ambiente educacional. Dessa forma, este estudo visa verificar a influência das crenças de autoeficácia no comportamento cidadão e contraproducente dos acadêmicos de Contabilidade. Para tal, a pesquisa caracteriza-se como descritiva, com abordagem quantitativa realizada por meio de uma survey junto a 309 alunos de Ciências Contábeis das Instituições de Ensino Superior (IES) públicas. Os resultados da Modelagem de Equações Estruturais permitem inferir que as crenças de autoeficácia relacionam-se positivamente e de modo significativo com o comportamento cidadão, nas dimensões de Aprendizagem Reflexiva e Emoções Positivas. Enquanto, não foi possível afirmar estatisticamente que as Emoções Negativas e Aprendizagem Reflexiva possuem relação esperada com o Comportamento Contraproducente. Assim, conclui-se que elementos psicológicos permeiam o desempenho acadêmico, consubstanciado no comportamento universitário, sendo necessária a observação destes no desenvolvimento de ações estudantis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allison, B. J., Voss, R. S., & Dryer, S. (2001). Student Classroom and Career Success: The Role of Organizational Citizenship Behavior. Journal of Education for Business, 76(5), 282–288.

Andrade, J. X., & Corrar, L. J. (2008). Condicionantes do Desempenho dos Estudantes de Contabilidade: Evidências Empíricas de Natureza Acadêmica, Demográfica e Econômica. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), 62-74.

Bandura. A. (1977). Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84(2), 191-215.

Bong, M., & Skaalvik, E. M. (2003). Academic self-concept and self-efficacy: How different are they really?. Educational psychology review, 15(1), 1-40.

Credé, M., & Niehorster, S. (2009). Individual difference influences on self-focused and other-focused counterproductive student behaviors. Personality and Individual Differences, 47(7), 769-776.

Cretu, R. Z., & Burcas, S. (2014). Self Efficacy: A moderator of the relation between emotional dissonance and counterproductive work behavior. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 127, 892-896

Dewey, J. (1938). Experience and education. New York: Touchstone.

Freire, C. (2014). Academic Misconduct Among Portuguese Economics and Business Undergraduate Students- A Comparative Analysis with Other Major Students. Journal of Academic Ethics, 12(1), 43–63.

Hair Jr, J. F., Gabriel, M. L. D. D. S., & Patel, V. K. (2014). Modelagem de Equações Estruturais Baseada em Covariância (CB-SEM) com o AMOS: Orientações sobre a sua aplicação como uma Ferramenta de Pesquisa de Marketing. REMark, 13(2), 43-55.

Hair Jr, J. F.,; Hult, G. T. M.,; Ringle, C. M., &; Sarstedt, M. (2014). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: SAGE.

Hakstian, A. R., Farrell, S., & Tweed, R. G. (2002). The assessment of counterproductive tendencies by means of the California Psychological Inventory. International Journal of Selection and Assessment, 10(1‐2), 58-86.

Hogan, J., & Hogan, R. (1989). How to measure employee reliability. Journal of Applied Psychology, 74(2), 273-279.

Kaufman, J. C., & Agars, M. D. (2009). Being creative with the predictors and criteria for success. 64(4):1-280.

Lent, R. W., Ireland, G. W., Penn, L. T., Morris, T. R., & Sappington, R. (2017). Sources of self-efficacy and outcome expectations for career exploration and decision-making: A test of the social cognitive model of career self-management. Journal of Vocational Behavior, 99(sn), 107-117.

Mamede, S. D. P. N., Marques, A. V. C., Rogers, P., & Miranda, G. J. (2015). Determinantes Psicológicos do Desempenho Acadêmico em Ciências. BBR, Special Issues, 54 - 75.

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas.

Meriac, J. P. (2012). Work ethic and academic performance: Predicting citizenship and counterproductive behavior. Learning and Individual Differences, 22(4), 549-553.

Ministério da Educação – MEC (2016). Censo da Educação Superior 2016. Recuperado em 28, fevereiro, 2018, de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2016.pdf

Morphew, C. C., & Hartley, M. (2006). Mission statements: A thematic analysis of rhetoric across institutional type. The Journal of Higher Education, 77(3), 456-471.

Okafor, G. O. (2011). The ethical behaviour of Nigerian business students (A study of undergraduate students’ in business schools). Arabian Journal of Business and Management Review, 1(3), 33-44.

Oliveira, M. B., & Soares, A. B. (2011). Autoeficácia, raciocínio verbal e desempenho escolar em estudantes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 33-39.

Organ, D. W. (1988). Organizational citizenship behavior: The good soldier syndrome. Lex-ington, MA: Lexington Books

Organ, D. W. (1988). Issues in organization and management series. Organizational citizenship behavior: The good soldier syndrome. Lexington, MA, England: Lexington Books.

Organ, D. W. (1997). Organizational citizenship behavior: It is construct clean-up time. Human performance, 10(2), 85-97.

Ribeiro, C. (2000). Em torno do conceito locus de controlo. Máthesis, 9, 297-314.

Ringle, C. M., Da Silva, D., & Bido, D. D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. REMark, 13(2), 54-73.

Schmitt, N., Oswald, F. L., Friede, A., Imus, A., & Merritt, S. (2008). Perceived fit with an academic environment: Attitudinal and behavioral outcomes. Journal of Vocational Behavior, 72(3), 317-335.

Schnake, M. (1991). Organizational citizenship: A review, proposed model, and research agenda. Human relations, 44(7), 735-759.

Torisu, E. M., & Ferreira, A. C. (2009). A teoria social cognitiva e o ensino-aprendizagem da matemática: considerações sobre as crenças de autoeficácia matemática. Ciências & Cognição, 14(3), 168-177.

Publicado

12/03/2019

Como Citar

Lopes, I. F., Meurer, A. M., & Voese, S. B. (2019). EFEITO DAS CRENÇAS DE AUTOEFICÁCIA NO COMPORTAMENTO CIDADÃO E CONTRAPRODUCENTE DOS ACADÊMICOS DE CONTABILIDADE. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(3), 517–531. Recuperado de https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/471

Edição

Seção

ARTIGOS