USO DA TEORIA DA AGÊNCIA EM PESQUISAS DE CONTABILIDADE GERENCIAL: PREMISSAS, LIMITAÇÕES E FORMULAÇÕES ALTERNATIVAS AOS SEUS PRESSUPOSTOS

Autores

  • Rosenery Loureiro Lourenço UFRJ
  • Fernanda Filgueiras Sauerbronn UFRJ

Palavras-chave:

Teoria de Agência. Teorias Sociais. Contabilidade Gerencial.

Resumo

O objetivo deste artigo é propor uma reflexão sobre o uso da Teoria da Agência nas pesquisas em contabilidade e, mais especificamente, Contabilidade Gerencial no Brasil, traçando considerações a cerca de suas premissas e limitações, bem como apontando outras formulações teóricas para o conceito de agência. Inicialmente a discussão mostra que a Teoria da Contabilidade geralmente é utilizada em combinação com teorias de outras áreas - normalmente econômicas e gerenciais - para sustentar o estudo dos fenômenos contábeis financeiros e gerenciais. Depois de apresentar a Teoria da Agência e suas três vertentes fundamentadas na economia e elencar algumas das principais críticas, são apresentadas outras possibilidades sociológicas para o estudo da agência. Estas perspectivas sugerem novas formas de olhar para: (i) o agente e os elementos que influenciam e explicam a ação humana, (ii) para as estruturas de poder, e (iii) para os níveis de análise. Por fim, o artigo apresenta algumas características de pesquisas em Contabilidade Gerencial no Brasil que utilizam outras teorizações de agência para fundamentar suas investigações, ajustando a profundidade metodológica e o pluralismo teórico necessário para o estudo do fenômeno em Contabilidade Gerencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosenery Loureiro Lourenço, UFRJ

Mestre em Ciências Contábeis. Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCC/UFRJ.

Fernanda Filgueiras Sauerbronn, UFRJ

Doutora em Administração pela EBAPE-FGV. Professora Adjunta no Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCC/UFRJ.

Referências

Ahrens, T., & Chapman, C. S. (2006). Doing qualitative Weld research in management accounting: Positioning data to contribute to theory. Accounting, Organizations and Society, 31 , pp. 819–841.

Armstrong, P. (1991). Contradiction and Social Dynamics in the Capitalist Agency. Accounting, Organizations and Society, 16(1), pp. 1-25.

Baiman, S. (1990). Agency Research in Managerial Accounting: A Second Look. Accounting, Organizational and Society, 15(4), pp. 341-371.

Beattie, V. (2002). Traditions of research in financial accounting. In B. Ryan, R. W. Scapens, & M. Theobold, Research Method and Methodology in Finance and Accounting (pp. 94-116). London: Cengage Learning.

Bogt, H. T., & Helden, J. V. (2012). The practical relevance of management accounting research and the role of qualitative methods therein: The debate continues. Qualitative Research in Accounting & Management, 9(3), pp. 265-273.

Bourdieu, P. (1990). The Logic of Practice. Redwood City: Stanford University Press, 1990.

Bourdieu, P. (2001). Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70.

Bromwich, M. (2007). Economics in Management Accounting. In: C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shielsd, Handbook of Management Accounting Research (pp. 137-162). Oxford, UK: Elsevier.

Burns, J., & Scapens, R. W. (2000). Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, 11, pp. 3-25.

Chenhall, R. H. (2007). Theorizing Contingencies in Management Control Systems Research. In: C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shields, Handbook of Management Accounting Research (pp. 163-205). Oxford, UK: Elsevier.

Davis, S. W., Menon, K., & Morgan, G. (1982). The images that have shaped accounting theory. Accounting, Organizations and Society, 7(4), pp. 307-318.

Frezatti, F., Nascimento, A. R., & Junqueira, E. (2009). Desenvolvimento da pesquisa em contabilidade gerencial: as restrições da abordagem monoparadigmatica de Zimmerman. Revista Contabilidade e Finanças, 20(49), 6-24.

Giddens, A. (1984) Elements of the Theory Structuration. In: Giddens, A. The Constitution of Society: Outline of the Theory of Structuration. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, p. 1-39.

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (1998). Competing Paradigms in Qualitative Research. In: N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln, The Landscape of Qualitative Research: Theories and Issues (pp. 195-220). Sage Publications.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (2007). Introdução e Metodologia da Contabilidade. In: E. S. Hendriksen, & M. F. Van Breda, Teoria da Contabilidade (pp. 21-35). São Paulo: Atlas.

Hesford, J. W., Lee, S.-H. (., Van der Stede, W. A., & Young, S. M. (2007). Management Accounting: A Bibliographic Study. In: C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shields, Handbook of Management Accounting Research (pp. 3-26). Oxford, UK: Elsevier.

Iudícibus, S. d., Martins, E., & Carvalho, L. N. (Maio/Ago de 2005). Contabilidade: Aspectos relevantes da epopéia de sua evolução. R. Cont. Fin. – USP, 38, pp. 7-19.

Jackson, M. C. (1999). Towards Coherent Pluralism in Management Science. The Journal of the Operational Research Society, 50(1), pp. 12-22.

Lambert, R. A. (2007). Agency Theory and Management Accounting. In C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shields, Handbook of Management Accounting Research - Volume 1 (pp. 247-268). Oxford, UK: Elsevier.

Laughlin, R. (1995). Methodological themes Empirical research in accounting: alternative approaches and a case for “middle-range” thinking. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 8, n. 1, p. 63-87.

Malmi, T., & Granlud, M. (2005). In search of Management Accounting Theory. Working Paper. Retrieved 2016, from Social Science Research Network, http://ssrn.com/abstract=804004

Martins, G. d., & Zanchet, A. (2012). Sobre a complexidade dos achados de pesquisas contábeis. Anais do Colóquio Internacional de epistemologia e sociologia da ciência da administração, 2. Florianópolis, SC, Brasil.

Modell, Sven. (2010). Bridging the paradigm divide in management accounting research: The role of mixed methods approaches. Management Accounting Research, 21, 124–129.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958, jun). The Cost of Capital, Corporation Finance and the Theory of Investment. The American Economic Review, pp. 48 (3), 261-297.

Nascimento, A. R., Junqueira, E., & Martins, G. d. (2010). A pesquisa acadêmica em contabilidade gerencial no Brasil: análise e reflexões sobre teorias, metodologias e paradigmas. RAC, 14(6), 1113-1133.

Ogden, S. (1993). The limitations of Agency Theory: the case of accounting-based profit sharing schemes. Critical Perspectives on Accounting, 4, pp. 179-206.

Ryan, B., Scapens, R. W., & Theobald, M. (2002). Traditions of research in management accounting. In B. RYAN, R. W. SCAPENS, & M. THEOBALD, Research Method and Methodology in Finance and Accounting (pp. 68-93). London: Wouth Wester: Cengage Learning.

Sauerbronn, F. F., & Faria, A. (2012). Pluralismo no Estudo da Agência em Contabilidade: Contribuições da Perspectiva da Prática Social. Congresso Nacional de Administração e Ciências Contábeis - AdCont 2012, III. Rio de Janeiro/RJ.

Smith, M. (2011). Research Methods in Accounting. London: SAGE Publications.

Scapens, R. W. (2008) Seeking the relevance of interpretive research: A contribution to the polyphonic debate. Critical Perspectives on Accounting, 19, pp. 915–919.

Taipaleenmäki, J., & Ikäheimo, S. (2013). On the convergence of management accounting and financial accounting: the role of information technology in accounting change. International Journal of Accounting Information Systems, 14, pp. 321–348.

Theóphilo, C. R., & Iudícibus, S. d. (2009). Uma análise crítico-epistemológica da produção científica em contabilidade no Brasil. Contabilidade, gestão e Governança, 8.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1979, april). The Demand for and Supply of Accounting Theories: The Market for Excuses. The Accounting Review, 4 (2), pp. 273-305.

Waweru, N. M. (2010). The origin and evolution of management accounting: a review of the theoretical framework. Problems and Perspectives in Management, 8(3), pp. 165-182.

Wheten, D. (2003). O que constitui uma contribuição Teórica. RAE, 43(3), pp. 69-73.

Wiseman, R. M., Cuevas-Rodríguez, G., & Gomez-Mejia, L. R. (2012). Towards a Social Theory of Agency. Journal of Management Studies, 49(1), pp. 202-222.

Publicado

01/09/2017

Como Citar

Lourenço, R. L., & Sauerbronn, F. F. (2017). USO DA TEORIA DA AGÊNCIA EM PESQUISAS DE CONTABILIDADE GERENCIAL: PREMISSAS, LIMITAÇÕES E FORMULAÇÕES ALTERNATIVAS AOS SEUS PRESSUPOSTOS. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(2), 158–176. Recuperado de https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/279

Edição

Seção

EDIÇÃO ESPECIAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)