A BAIXA LEGITIMAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA (QEF) PERCEBIDA PELOS STAKEHOLDERS NAS LICITAÇÕES PÚBLICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/asaa.2020130310

Palavras-chave:

Legitimidade Normativa. Informação Contábil. Stakeholders. Qualificação Econômico-Financeira. Licitações Públicas.

Resumo

Objetivo: O trabalho teve como objetivo investigar se na etapa de Qualificação Econômico-Financeira (QEF) nas licitações públicas os stakeholders percebem a informação contábil com legitimidade para avaliar a capacidade financeira das empresas.
Método: Por meio da literatura de legitimidade normativa (normativity), adotando-se uma abordagem construtivista, a pesquisa apresenta uma análise qualitativa da percepção dos stakeholders sobre a legitimidade da informação contábil no processo de licitações públicas. A coleta de dados foi realizada por meio de grupos focais e entrevistas semiestruturadas com stakeholders de segmentos que atuam em diferentes etapas do processo: administração pública; empresas privadas; órgãos de controle e julgamento; e juristas do direito administrativo.
Resultados ou Discussão: Os resultados evidenciaram que uma baixa legitimidade da informação contábil na etapa de QEF está relacionada com fatores da própria legislação, seguida da baixa validação pelos stakeholders, reforçada pela falta de aplicação da estrutura conceitual da contabilidade. Isso faz com que a informação contábil não seja utilizada para avaliar a real capacidade econômico-financeira das empresas, tornando essa apenas uma etapa de compliance no processo.
Contribuições: A pesquisa aponta para o fato de que a baixa legitimidade percebida das informações contábeis é fator crucial para sua utilização cerimonial. O estudo contribui de duas formas. Primeiro, traz elementos teóricos que podem contribuir com explicações para o baixo uso das informações contábeis em processos específicos. Segundo, contribui com o processo de licitações públicas, pois a etapa de QEF tem permitido a validação de empresas sem condições econômicas suficientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Borges Ribeiro, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Faculdade de Ciências Contábeis - UFU

Gilberto José Miranda, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Faculdade de Ciências Contábeis

Ricardo Rocha de Azevedo, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Faculdade de Ciências Contábeis

Referências

Ashforth, B. E., & Gibbs, B. W. (1990). The double-edge of organizational legitimation. Organization science, 1(2), 177-194. https://doi.org/10.1287/orsc.1.2.177

Ashaye, O. R., & Irani, Z. (2019). The role of stakeholders in the effective use of e-government resources in public services. International Journal of Information Management, 49, 253-270.

Azevedo, R. R.; & Aquino, A. C. B. de (2019). An experimental analysis on normativity in an accountability overload context. In: European Group for Public Administration Annual Conference. Belfast, 2019. Anais… Belfast: EGPA.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. 3ª Reimpressão da 1. São Paulo: Edições, 70.

Bebbington, J., Kirk, E. A., & Larrinaga, C. (2012). The production of normativity: A comparison of reporting regimes in Spain and the UK. Accounting, Organizations and Society, 37(2), 78-94. https://doi.org/10.1016/j.aos.2012.01.001

Beuren. I. M. (2014). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Bogner, A., Littig, B., & Menz, W. (2009). Introduction: Expert interviews—An introduction to a new methodological debate. In Interviewing experts (pp. 1-13). Palgrave Macmillan, London.

Bovaird, T. (2005). Public governance: balancing stakeholder power in a network society. International review of administrative sciences, 71(2), 217-228.

BRASIL, C. C. (2002). Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002 L, 10406, 1950-1969.

______. (2006). Lei Complementar n. 123 de 14 de dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Disponível em: http://www.comprasnet.gov.br/legislacao/leis/lei123_2006.htm Acesso em: 20 dez.2019.

______. (2007). Lei Federal n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm. Acesso em: 10 fev.2019.

______. (2011). Lei Nº 12.527, DE 18 de Novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o da Constituição Federal. Disponível em: http://auriflama.sp.gov.br/files/decreto_7724_16.pdf. Acesso em: 20 dez.2019.

______. (1993). Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal. Disponível em . Acesso em: 02 mar.2018.

______. (1994). Altera dispositivos da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, que regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e dá outras providências.

Brugha, R., & Varvasovszky, Z. (2000). Stakeholder analysis: a review. Health policy and planning, 15(3), 239-246.

Brunnée, J., & Toope, S. J. (2000). International law and constructivism: elements of an interactional theory of international law. Colum. J. Transnat'l L., 39, 19.

Brusca, I., Grossi, G., & Manes-Rossi, F. (2018). Setting consolidated reporting standards for local government. Public Money & Management, 38(7), 483-492. https://doi.org/10.1080/09540962.2018.1524199

Bushman, R. M., & Smith, A. J. (2001). Financial accounting information and corporate governance. Journal of accounting and Economics, 32(1-3), 237-333. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00027-1

Cervo, A. L.; & Bervian, P. A. (1983). Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill.

Collins, H., Evans, R., & Gorman, M. (2007). Trading zones and interactional expertise. Studies in History and Philosophy of Science Part A, 38(4), 657-666.

CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2019). Pronunciamento Técnico CPC 00 – Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro, 2019. Disponível em <http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/147_CPC00_R1.pdf. Acesso em: 20 fev.2020.

Dias, L. N., de Aquino, A. C. B., da Silva, P. B., & dos Santos Albuquerque, F. (2020). Terceirização de portais de transparência fiscal em prefeituras municipais. Revista de Contabilidade e Organizações, 14, e164383-e164383. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.164383

Du Jardin, P. (2015). Bankruptcy prediction using terminal failure processes. European Journal of Operational Research, 242(1), 286-303. https://doi.org/10.1016/j.ejor.2014.09.059

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, 14(4), 532–550. https://doi.org/10.5465/amr.1989.4308385

Favero, L. P., & Belfiore, P. (2020). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. Elsevier Brasil.

Fiuza, E. P. S.; & Medeiros, B. A. (2013) A reforma da Lei 8.666/93 e do arcabouço legal de compras públicas no Brasil: contribuições do Ipea à Consulta Pública do Senado. Nota técnica IPEA, nº 8, Brasília.

Finnemore, M., & Sikkink, K. (1998). International norm dynamics and political change. International organization, 887-917. https://doi.org/10.1162/002081898550789

Franck, T. M., (1990). The power of legitimacy among nations. Oxford University Press on Demand.

Freeman, R. E. 1984. Strategic management: A stakeholder approach. Boston, MA: Pitman.

Freeman, R. E., Phillips, R., & Sisodia, R. (2020). Tensions in stakeholder theory. Business & Society, 59, 213–231. doi:10.1177/0007650318773750

Krueger, R. A. (2014). Focus groups: A practical guide for applied research. Sage publications.

Li, Y., & Wang, Y. (2017). Machine learning methods of bankruptcy prediction using accounting ratios. Open Journal of Business and Management, 6(1), 1-20. https://doi.org/10.1590/0034-761220170404

Lopes, A. B., & Martins, E. (2005). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas.

Martins, E., Diniz, J. A., & Miranda, G. J. (2020). Análise avançada das demonstrações contábeis: uma abordagem crítica. São Paulo: Atlas.

Martins, E., & Gelbcke, E. R. (2013). Manual de Contabilidade Societária. Editora Atlas SA.

Mattar, F. N. (2006). Pesquisa de marketing-edição compacta (Vol. 5). Elsevier Brasil.

McKinnon, J. (1988). Reliability and validity in field research: some strategies and tactics. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 1(1), 34-54. https://doi.org/10.1108/EUM0000000004619.

Nowell, B., & Albrecht, K. (2018). A Reviewer’s Guide to Qualitative Rigor. Journal of Public Administration Research and Theory, 29(2), 348–363. https://doi.org/10.1093/jopart/muy052

OECD (2019). Organisation for Economic Cooperation and Development. Public Procurement. Disponível em: https://www.oecd.org/governance/public-procurement/ Acesso em: 15 dez.2019.

Parsons, T. (1960). Structure and process in modern societies. Free Press.

_________. (1956). Suggestions for a sociological approach to the theory of organizations – I. Administrative Science Quarterly, v.1, p. 63–85. https://doi.org/10.2307/2390840

Patton, M. Q. (2015). Qualitative Research & Evaluation Methods. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, Inc.

Pereira, V. S., & Martins, V. F. (2015). Estudos de previsão de falências–uma revisão das publicações internacionais e brasileiras de 1930 a 2015. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(26), 163-196. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n26p163

Perera, L. C. J., de Freitas, E. C., & Imoniana, J. O. (2014). Avaliação do sistema de combate às fraudes corporativas no Brasil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 11(23), 03-30. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2014v11n23p3

Pfeffer, J., & Salancik, G. R. (2003). The external control of organizations: A resource dependence perspective. Stanford University Press.

Roman, A. V. (2014). The politics of bounded procurement: Purists, brokers and the politics-procurement dichotomy. Journal of Public Procurement.

Romzek, B. S., & Johnston, J. M. (2002). Effective contract implementation and management: A preliminary model. Journal of Public Administration Research and Theory, 12(3), 423-453. https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.jpart.a003541

Scott, W. R. (2008). Institutions and organizations: Ideas, interests, and identities. Sage publications.

Shafritz, J., & Hyde, A. (2017). Classics of public administration. Boston, MA: Cengage Learning.

Siagian, F., Siregar, S. V., & Rahadian, Y. (2013). Corporate governance, reporting quality, and firm value: evidence from Indonesia. Journal of accounting in emerging economies. https://doi.org/10.1108/20440831311287673

Suchman, M. C. (1995). Managing legitimacy: Strategic and institutional approaches. Academy of management review, 20(3), 571-610. https://doi.org/10.5465/amr.1995.9508080331

Tackett, J., Wolf, F., & Claypool, G. (2004). Sarbanes‐Oxley and audit failure. Managerial auditing journal.

TCE-PB (2019). Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. Paineis de Acompanhamento de Gestão. Licitantes 100% perdedores. Disponível em <https://tce.pb.gov.br/paineis/licitantes-perdedores>. Acesso em: 21 nov.2019.

TCE-PE (2020). Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. Institucional. Disponível em: https://www.tce.pe.gov.br/internet/index.php/dados-abertos. Acesso em: 25 jan.2020.

TCE-SP (2020). Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Transparência: Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas. Disponível em <https://paineldeobras.tce.sp.gov.br/. Acesso em: 10 jan.2020.

TCU (2019). Tribunal de Contas da União. Fiscalização de obras (Fiscoobras, 2019). https://portal.tcu.gov.br/imprensa/noticias/fiscobras-2019 >. Acesso em: 20 dez.2019.

TCU (2013). Tribunal de Contas da União. Processo 006.156/2011-8. Acórdão TCU Plenário AC-1214-17/13-P. Relator Aroldo Cedraz. Brasília, 22 mai.2013.

Torres, R. C. L. (2018). Leis de Licitações Públicas comentadas. São Paulo: JUSPODIUM.

Trammell, E., Abutabenjeh, S., & Dimand, A. M. (2020). A Review of Public Administration Research: Where Does Public Procurement Fit In?. International Journal of Public Administration, 43(8), 655-667.

Transparência Brasil (2020). Portal da Transparência. Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União. Disponível em . Acesso em: 20 jan.2020.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. Atlas.

Walker, H. A., & Zelditch Jr, M. (1993). Power, legitimacy, and the stability of authority: A theoretical research program. Theoretical research programs: Studies in the growth of theory, 364-381.

Publicado

19/12/2020

Como Citar

Ribeiro, R. B., Miranda, G. J., & de Azevedo, R. R. (2020). A BAIXA LEGITIMAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA (QEF) PERCEBIDA PELOS STAKEHOLDERS NAS LICITAÇÕES PÚBLICAS. Advances in Scientific and Applied Accounting, 1(1), 185–205. https://doi.org/10.14392/asaa.2020130310

Edição

Seção

ARTIGOS