DIVULGAÇÃO DE DESPESAS COM P&D VERSUS INOVAÇÃO: UM ESTUDO NAS EMPRESAS LISTADAS NA B3

Authors

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130210

Abstract

Investiga-se a influência da divulgação de despesas com pesquisa e desenvolvimento (P&D) no nível de inovação nas empresas brasileiras listadas na B3. Adicionalmente, foi analisada a influência da governança corporativa na divulgação de despesas com P&D e da divulgação das despesas da empresa com P&D no seu valor de mercado. A amostra reúne todas as 350 empresas listadas na B3 no período de 2015 a 2017. Comoproxypara inovação, utilizou-se o número de patentes registradas pela empresa, de acordo com o websiteEspacenet. Como proxypara governança corporativa, foi utilizada a participação da empresa em um dos níveis diferenciados de governança corporativa. E como proxypara valor de mercado, empregou-se o Q de Tobin. A partir do teste de Mann-Whitney, verificou-se que as empresas que divulgam despesas com P&D apresentam número de patentes e valor de mercado superiores aos das empresas que não as divulgam. Entretanto, os resultados da regressão revelaram que nas empresas da amostra a divulgação de despesas com P&D não influencia o nível de inovação. De acordo com o modelo de regressão logística, evidenciou-se que as empresas participantes dos níveis diferenciados de governança corporativa apresentam maior propensão a divulgar as despesas com P&D, comparativamente àquelas não listadas. Por meio da regressão pelo Método dos Mínimos Quadrados Ordinários, evidenciou-se que a divulgação de despesas com P&D não impacta o valor da firma. Esses resultados fornecem a reguladores, investidores e intermediários evidências de que nas empresas da amostra a divulgação de despesas com P&D não influencia o nível de inovação, e sugerem que a inovação pode advir não apenas de atividades internas de P&D, ou que as empresas não vêm divulgando essa informação com o nível de qualidade desejável.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Nayana de Almeida Adriano, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará

Jislene Trindade Medeiros, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará

Alessandra Carvalho de Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina

Professora da Universidade Federal do Ceará

Márcia Martins Mendes De Luca, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Professora da Universidade Federal do Ceará

References

Almendra, R. S., de Vasconcelos, A. C., Aragão, R. N., & Cysne, I. A. (2017). Influência da estrutura de capital nos investimentos em inovação das indústrias listadas na BM&FBovespa. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 16(1), 40-61.

Arundel, A., & Kabla, I. (1998). What percentage of innovations are patented? Empirical estimates for European firms. Research policy, 27(2), 127-141.

Assunção, R. R., De Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. (2017). Complexidade e governança corporativa: uma análise das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade & Finanças, 28(74), 213-228.

Bushee, B. J. (1998). The influence of institutional investors on myopic R&D investment behavior. The Accounting Review, 73(3), 305-333.Chan, S. H., Martin, J. D., & Kensinger, J. W. (1990). Corporate research and development expenditures and share value. Journal of Financial Economics, 26(2), 255-276.

Carayannis, E., Samara, E. T., & Bakouros, Y. L. (2015). Innovation and entrepreneurship. Theory, policy and practice. Switzerland: Springer International Publishing.

Carmona, L. J. M., Tomelin, J., Dani, A. C., & Hein, N. (2017). Efeito da intensidade tecnológica na relação entre o investimento em inovação e o desempenho organizacional de setores industriais. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 5(2), 84-106.

Cohen, L., Diether, K., & Malloy, C. (2013). Misvaluing innovation. The Review of Financial Studies, 26(3), 635-666.

Daniel, K., Titman, S., & Wei, K. J. (2001). Explaining the cross‐section of stock returns in Japan: factors or characteristics?. The Journal of Finance, 56(2), 743-766.

Eberhart, A. C., Maxwell, W. F., & Siddique, A. R. (2004). An examination of long‐term abnormal stock returns and operating performance following R&D increases. The Journal of Finance, 59(2), 623-650.

Espíndola, A. A., Santos, J. G. C., & Vasconcelos, A. C. (2018). Relevância informacional atribuída ao disclosure de gastos com P&D no mercado de capitais brasileiro. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, Ed. Especial, 115-140.

Famá, R., & Barros, L. A. B. C. (2000). Q de Tobin e seu uso em finanças: aspectos metodológicos e conceituais. Caderno de Pesquisas em Administração, 7(4), 27-43.

Fishman, M. J., & Hagerty, K. M. (1990). The optimal amount of discretion to allow in disclosure. The Quarterly Journal of Economics, 105(2), 427-444.

Gallini, N. T. (2002). The economics of patents: lessons from recent US patent reform. Journal of Economic Perspectives, 16(2), 131-154.

Gigler, F. (1994). Self-enforcing voluntary disclosures. Journal of Accounting Research, 32(2), 224-240.

Gu, F. (2005). Innovation, future earnings, and market efficiency. Journal of Accounting, Auditing & Finance, 20(4), 385-418.

Hall, B. H., Jaffe, A., & Trajtenberg, M. (2005). Market value and patent citations. RAND Journal of Economics, 36(1), 16-38.

Hall, B. H., & Oriani, R. (2006). Does the market value R&D investment by European firms? Evidence from a panel of manufacturing firms in France, Germany, and Italy. International Journal of Industrial Organization, 24(5), 971-993.

Healy, P. M., & Palepu, K. G. (2001). Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: a review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting and Economics, 31(1-3), 405-440.

Horwitz, B. N., & Kolodny, R. (1980). The economic effects of involuntary uniformity in the financial reporting of R&D expenditures. Journal of Accounting Research, 18, 38-74.

Hungarato, A., & Sanches, M. (2006, novembro). A relevância dos gastos em P&D para o preço das ações de empresas listadas na Bovespa. Anais do Simpósio Fucape de Produção Científica, Vitória, ES, Brasil, 4.

Hungarato, A., & Teixeira, A. J. C. (2012). A pesquisa e desenvolvimento e os preços das ações das empresas brasileiras: um estudo empírico na Bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 6(3), 282-298.

Klann, R. C., & Beuren, I. M. (2011). Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho. BBR – Brazilian Business Review, 8(2), 96-118.

Koh, P. S., & Reeb, D. M. (2015). Missing R&D. Journal of Accounting and Economics, 60(1), 73-94.

Kothari, S. P., Laguerre, T. E., & Leone, A. J. (2002). Capitalization versus expensing: evidence on the uncertainty of future earnings from capital expenditures versus R&D outlays. Review of Accounting Studies, 7(4), 355-382.

Lerner, J., & Wulf, J. (2007). Innovation and incentives: evidence from corporate R&D. The Review of Economics and Statistics, 89(4), 634-644.

Lev, B., & Sougiannis, T. (1996). The capitalization, amortization, and value-relevance of R&D. Journal of Accounting and Economics, 21(1), 107-138.

Lo, K. (2010). Materiality and voluntary disclosures. Journal of Accounting and Economics, 49(1-2), 133-135.

McVay, S. E. (2006). Earnings management using classification shifting: an examination of core earnings and special items. The Accounting Review, 81(3), 501-531.

Nascimento, J. C. H. B., Angotti, M., da Silva Macedo, M. A., & Bortolon, P. M. (2018). As relações entre governança corporativa, risco e endividamento e suas influências no desempenho financeiro e no valor de mercado de empresas brasileiras. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 166-185.

Nekhili, M., Boubaker, S., & Lakhal, F. (2012). Ownership structure, voluntary R&D disclosure and market value of firms: the French case. International Journal of Business, 17(2), 126.

Pandit, S., Wasley, C. E., & Zach, T. (2011). The effect of research and development (R&D) inputs and outputs on the relation between the uncertainty of future operating performance and R&D expenditures. Journal of Accounting, Auditing & Finance, 26(1), 121-144.

Parente, P. H. N., Vasconcelos, A. C., & De Luca, M. M. M. (2015). Teoria contingencial e intangibilidade: um estudo nas empresas listadas na BM&FBovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(3), 21-40.

Santos, J. G. C., Silva, L. S., Gallon, A. V., & De Luca, M. M. M. (2012). Intangibilidade e inovação em empresas no Brasil. RAI – Revista de Administração e Inovação, 9(2), 198-222.

Silva, J. P., Bonfim, M. P., Gonçalves, R. S., & Niyama, J. K. (2018). Qualidade do lucro versus governança corporativa: uma análise das companhias de utilidade pública listadas na B3. Contabilidade Vista & Revista, 29(1), 48-76.

Schumpeter, J. A. (1934). The Theory of Economic Development: An Inquiry into Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle. Cambridge: Harvard University Press.

Tsai, K. H., & Wang, J. C. (2009). External technology sourcing and innovation performance in LMT sectors: An analysis based on the Taiwanese technological innovation survey. Research Policy, 38(3), 518-526.

Watson, A., Shrives, P., & Marston, C. (2002). Voluntary disclosure of accounting ratios in the UK. The British Accounting Review, 34(4), 289-313.

Published

31/08/2020

How to Cite

Adriano, N. de A., Medeiros, J. T., Vasconcelos, A. C. de, & De Luca, M. M. M. (2020). DIVULGAÇÃO DE DESPESAS COM P&D VERSUS INOVAÇÃO: UM ESTUDO NAS EMPRESAS LISTADAS NA B3. Advances in Scientific and Applied Accounting, 13(2), 193–209. https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130210

Issue

Section

ARTIGOS

Most read articles by the same author(s)