EFICIÊNCIA DOS HOSPITAIS ESTADUAIS DE SANTA CATARINA: UM COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE GESTÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130104

Palavras-chave:

eficiência, hospitais públicos, modelos de gestão.

Resumo

O artigo analisa a eficiência dos serviços de saúde prestados pelos 18 hospitais estaduais de Santa Catarina nos quais a gestão é feita diretamente pelo Estado ou por Organizações Sociais de Saúde (OSS). Empreendeu-se uma pesquisa descritiva, por meio de um estudo documental, com abordagem quantitativa. Os dados obtidos na Secretaria Estadual da Saúde foram analisados por meio da Análise Envoltória de Dados (DEA) em três estágios, conforme é usualmente feito na literatura sobre o tema. Os resultados demonstram que os hospitais geridos por OSS são mais eficientes, sendo que 60% deles atingiram escore máximo em 2017 e apenas um hospital da administração direta atingiu o mesmo índice. Evidências atribuem a evolução na eficiência dos hospitais à melhoria na eficiência técnica (5,4%), ou seja, aspectos internos da produção. No entanto, verificou-se uma redução da eficiência tecnológica ao longo dos anos (2,2%). Por fim, a análise de dados em painel constatou um aumento médio de 1,9% na produtividade total dos fatores nos hospitais analisados durante o período investigado. A originalidade do estudo é reconhecida diante da escassez de trabalhos desenvolvidos sobre a temática em tela. Neste sentido, e entendendo pela importância dos resultados obtidos, recomenda-se a aplicação do modelo de gestão das OSS para os outros hospitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bevan, G., & Hood, C. (2006). What's measured is what matters: targets and gaming in the English public health care system. Public Administration, 84(3), 517-538.

Bresser Pereira, L. C., & Spink, P. (1998). Reforma do estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV.

Cesconetto, A., Lapa, J. S., Calvo, M. (2008). Avaliacão da eficiência produtiva de hospitais do SUS de Santa Catarina, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 24(10), 2.407-2.417.

Coelho, R. (2012). O público e o privado na gestão pública. Florianópolis: UFSC.

Cooper, W., Seiford, L., Tone, K. (2002). Data Envelopment Analysis: a comprehensive text with models, applications, references and DEA-solver software. Boston, MA: Kluwer Academic Publishers.

Costa, C.; Balbinotto Neto, G.; Sampaio, L. (2014) Eficiência dos estados brasileiros e do Distrito Federal no sistema público de transplante renal: uma análise usando método DEA (Análise Envoltória de Dados) e índice de Malmquist. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, n. 8, p. 1667–1679.

Chu, C., Chiang, T., Chang, R. (2011). Hospital competition and inpatient services efficiency in Taiwan: a longitudinal study. Health Economics, 20, 1268–1280.

Ferreira Júnior, V. C. (2003). Gerenciamento de hospitais estaduais paulistas por meio das organizações sociais de saúde. Revista de Administração Pública, 37(2), 243-264.

Grigoli, F., & Kapsoli, J. (2013). Waste not, want not: the efficiency of health expenditure in emerging and developing economies. IMF Working Paper. Washington DC: Fundo Monetário Internacional.

Harding, A., & Preker, A. (2003). A conceptual framework for the organizational reforms of hospitals. In: PREKER, A.; HARDING, A. (Ed.). Innovations in health service delivery: the corporatization of public hospitals. Washington, DC: Banco Mundial.

Jakab, M., Preker A. S., Harding, A., Hawkins, L. (2002). The Introduction of Market Forces in the Public Hospital Sector. HNP Discussion Paper, Washington, DC: Banco Mundial.

Kirigia J. M., Emrouznejad, A., Cassoma, B., Zere, A. E., Barry, S. (2008). A performance assessment method for hospitals: the case of municipal hospitals in Angola. Journal of Medical System, 32(6), 509–519.

La Forgia; G. M., & Couttolenc, B. (2009). Hospital performance in Brazil: the search for excellence. Washington, DC : Banco Mundial, 2008. Recuperado em 13 setembro, 2019, de https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/6516.

Langabeer, J. R., Ozcan, Y. A. (2009). The economics of cancer care: Longitudinal changes in provider efficiency. Health Care Management Science, 12(2), 192–200.

Lei n. 9.637, de 15 de maio de 1998. (1998). Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências. Recuperado em 13 setembro, 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9637.htm

Lobo M., Lins M., Silva A., Fiszman R. (2009). Impacto da reforma de financiamento de hospitais de ensino no Brasil. Revista Saúde Pública, 43(3), 437-445.

Lisboa, M., & Scheinkman, J. A. (2017). As dores do crescimento. In: Retomada do Crescimento: diagnóstico e propostas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lobo, A. S. C., Ozcan, Y. A., Silva, A. C., Lins, M. P., Fisman, R. (2009). Financing reform and productivity change in Brazilian teaching hospitals: Malmquist approach. CEJOR, 18, 141–152.

Marques, R. M., & Mendes, A. (2012). A problemática do financiamento da saúde pública brasileira: de 1985 a 2008. Economia e Sociedade, 21(2), 345-362.

Mendonça, M. L. (2008). As organizações sociais entre o público e o privado: uma análise de direito administrativo. Fortaleza: Universidade de Fortaleza.

Navarro-Espigares, J., & Torres, L. (2011). Efficiency and quality in health services: a crucial link. The Service Industries Journal, 31.

Organização Mundial da Saúde. (2010). Relatório Mundial da Saúde: o caminho para a cobertura universal. Genebra: OMS.

Pacheco, R. S. (2004). Contratualização de resultados no setor público: a experiência brasileira e o debate internacional. In: Congreso Internacional del Clad sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, 9., 2004, Madrid. Anais... Caracas: CLAD.

Silva, C. R. M., & Crisóstomo, V. L. (2019). Gestão Fiscal, Eficiência da Gestão Pública e Desenvolvimento Socioeconômico dos Municípios Cearenses. Revista de Administração Pública, 53(4), 791-801.

Simar, L., & Wilson, P. (2002). Non-parametric tests of returns to scale. European Journal of Operational Research, 139(1), 115–132.

Simar, L., & Wilson, P. (2011). Inference by the m out of n bootstrap in nonparametric frontier models. Journal of Productivity Analysis, 36, 33–53.

Simm, J.; Besstremyannaya, G. (2016). rDEA: Robust Data, Envelopment Analysis (DEA) for R, R package version 1.2-5.

Tonelotto, D. P., Crozatti, J., Moraes, V. M., & Righetto, P. (2019). Hospitais de alta complexidade do Estado de São Paulo: uma análise comparativa dos níveis de eficiência obtidos pelos modelos de gestão de administração direta e de organização social. Administração Pública e Gestão Social, 11(4), 1-20.

Zere, E., Mcinture, D., Addison, T. (2001). Technical efficiency and productivity of public sector hospitals in three South African provinces. South African Journal of Economics, 69(2), 336–358.

Publicado

22/04/2020

Como Citar

Rodrigues, A. F. O., Sallum, S. B., & Raupp, F. M. (2020). EFICIÊNCIA DOS HOSPITAIS ESTADUAIS DE SANTA CATARINA: UM COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE GESTÃO. Advances in Scientific and Applied Accounting, 13(1), 068–084. https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130104

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)