TEORIA DA ATRIBUIÇÃO DE CAUSALIDADE: PERCEPÇÕES DOCENTES E DISCENTES SOBRE OS DETERMINANTES DO DESEMPENHO ACADÊMICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120203

Palavras-chave:

Causalidade, Ciências Contábeis, Desempenho Acadêmico

Resumo

Tendo como base a Teoria da Atribuição de Causalidade, este estudo teve como objetivo confrontar as percepções de professores e de estudantes de Ciências Contábeis sobre a relevância dos determinantes do desempenho acadêmico. A Teoria da Atribuição não se restringe apenas a analisar como os estudantes atribuem causas ao sucesso ou ao fracasso do que já ocorreu, mas também analisa o quanto isso pode influenciar o desempenho futuro por meio das crenças enraizadas a partir das causas atribuídas. Dessa forma, foi realizado um levantamento, cuja amostra é composta de 492 professores e 573 estudantes do curso de Ciências Contábeis no Brasil. Os resultados evidenciaram que os determinantes considerados mais importantes por alunos e professores foram: a) relativos aos estudantes: motivação, esforço pessoal, quantidade de horas de estudo, frequência às aulas e conhecimento prévio; b) relativos ao docente: formação pedagógica; c) relativos às Instituições de Ensino Superior: infraestrutura. Também foi verificado que os alunos tendem a dar importância significativamente maior que os docentes às seguintes variáveis: frequência às aulas, motivação, esforço pessoal, infraestrutura das instituições, professores com dedicação exclusiva e com certificações na área contábil. Por outro lado, os docentes atribuem maior importância às variáveis: escolaridade da mãe, escolaridade do pai, desempenho anterior do aluno, ansiedade e estresse discente, tamanho da turma, processo seletivo e turno de estudo. Ou seja, as percepções de estudantes e docentes são relativamente parecidas, mas os primeiros tendem a atribuir o sucesso acadêmico predominantemente a variáveis internas a eles próprios, já os professores tendem a atribuí-lo a variáveis externas, conforme preconiza a Teoria da Atribuição de Causalidade. Esses achados podem contribuir com o processo de ensino e aprendizagem por meio da motivação discente em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zeila Abdala de Sá Sousa, UFU

Graduada em letras e graduanda em Ciências Contábeis pela UFU.

Mônica Aparecida Ferreira, UFU

Professora da UFU e doutoranda em Ciências Contábeis no PPGCC-UFU

Gilberto José Miranda, UFU

Professor do PPGCC-UFU

Referências

Almeida, L. da S., Miranda, L., & Guisande, M. A. (2008). Atribuições causais para o sucesso e fracasso escolares. Estudos em Psicologia, 25(2), 169-176.

Andriola, W. B. (2009). Fatores institucionais associados aos resultados do Exame Nacional de Desempenho Estudantil (ENADE): estudo dos cursos de graduação da Universidade Federal do Ceará. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio em Educación, 7(1), 22-49.

Araújo, T. S., Lima, F. D. C., Oliveira, A. C. L. de, & Miranda, G. J. (2015). Problemas percebidos no exercício da docência em Contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 26(67), 93-105.

Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

Baccaro, T. A., & Shinyashiki, G. T. (2014). Relação entre desempenho no vestibular e rendimento acadêmico no ensino superior. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 15(2),165-176.

Barbosa, M. E. F., & Fernandes, C. (2001). A escola brasileira faz diferença? Uma investigação dos efeitos da escola na proficiência em matemática dos alunos da 4ª série. Curitiba: ArtMed.

Campbell, M. M. (2007). Motivational systems theory and the academic performance of college students. Journal of College Teaching & Learning - TLC, 4(7).

Cornachione, E. B., Jr., Cunha, J. V. A. da, De Lucca, M. M. M., & Ott, E. (2010). O bom é meu, o ruim é seu: perspectivas da teoria da atribuição sobre o desempenho acadêmico de alunos da graduação em Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-24.

Dela Coleta J. A., & Godoy, S. A. (1986). Atribuição de causalidade ao sucesso e fracasso e reações emocionais: pesquisas brasileiras com os modelos de Bernard Weiner. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2(2), 145-156.

Devadoss, S., & Foltz, J. (1996). Evaluation of factors influencing student class attendance and performance. American Journal of Agricultural Economics, 78(3), 499-507.

Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho acadêmico discente no Enade em cursos de Ciências Contábeis (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências Contábeis, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Freitas, A. A. da S. M. de. (2004). Acesso ao ensino superior: estudo de caso sobre características dos alunos do ensino superior privado. Revista Inter Ação Educação e Movimento Social, 29(2), 267-282.

Gaier, S. E. (2015). Understanding why students do what they do: Using

attribution theory to help students succeed academically. Research &

Teaching in Developmental Education, 31(2), 6.

Ganda, R., D., & Boruchovitch, E. (2011). Atribuição de causalidade no ensino superior: análise da produção científica. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 2(1), 2-18.

Hanushek, E. A. (2002). Publicly provided education. In A. J. Auerbach, & M. Feldstein (Eds.), Handbook of public economics (4a ed., Cap 30, pp. 2045-2141), Amsterdam: North-Holland.

Harrington, D. R., Kualasekera, K., Bates, R., & Bredahl, M. (2006). Determinants of student performance in an undergraduate financial accounting class. Recuperado de https://ageconsearch.umn.edu/record/34117/files/wp060001.pdf.

Heider, F. (1958). The psychology of interpersonal relations. Nova Iorque: Wiley.

Hoffman, R. L. (2013). Differences in student perceptions of student and

faculty incivility among nursing program types: An application of

attribution theory.

Hook, C. J., Lawson, G. M., & Farah, M. J. (2013). Status socioeconômico e desenvolvimento das funções executivas. Recuperado de http://www.enciclopedia-crianca.com/sites/default/files/textes-experts/pt-pt/2474/status-socioeconomico-e-desenvolvimento-das-funcoes-executivas.pdf.

Ibrahim, M. E. (1989). Effort-expectation and academic performance in managerial cost accounting. Journal of Accounting Education, 7(1), 57-68.

Katsikas, E., & Panagiotidis, T. (2011) Student status and academic performance: accounting for the symptom of long duration of studies in Greece. Studies in Educational Evaluation, 37(2-3), 152-161.

Krieg, R. G., & Uyar, B. (2001). Student performance in business and economics statistics: does exam structure matter? Journal of Economics and Finance, 25(2), 229-241.

Krueger, A. B. (1999). Experimental estimates of education production functions. Quarterly Journal of Economics, 114(2), 497-532.

Marshall, P. D., Dombrowski, R. F., Garner, R. M., & Smith, K. J. (2010). The accounting education gap. The CPA Journal, 80(6), 6-10.

Martini, M. L., & Boruchovitch, E. (1999). As atribuições de causalidade, o desenvolvimento infantil e o contexto escolar. Psico-USF, 4(2), 23-36.

Martini, M. L., & Del Prette, Z. A. P. (2005). Atribuições de causalidade e afetividade de alunos de alto e baixo desempenho acadêmico em situações de sucesso e de fracasso escolar. Revista Interamericana de Psicologia, 39(3), 355-368.

Miranda, G. J., Araujo, T. S., & Marcelino, I. A. (2017). O absenteísmo acadêmico e suas consequências mais óbvias. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, 10(1), 172-189.

Miranda, G. J., Casa Nova, S. P. de C., & Cornachione, E. B., Jr. (2013). The accounting education gap in Brazil. Chinese-USA Business Review, 12(4), 361-372.

Miranda, G. J., Lemos, K. C. da S., Oliveira, A. S. de, & Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho acadêmico na área de negócios. Revista Meta: Avaliação, 7(20), 175-209.

Moura, A. C. da R., Miranda, G. J., & Pereira, J. M. (2015). Desempenho acadêmico em Ciências Contábeis: turno noturno versus diurno. Enfoque: Reflexão Contábil (Impresso), 34, 57-70.

Nogueira, D. R., Costa, J. M. da, Takamatsu, R. T., & Reis, L. G dos. (2013). Fatores que impactam o desempenho acadêmico: uma análise com discentes do curso de Ciências Contábeis no ensino presencial. RIC - Revista de Informação Contábil, 7(3), 51-62.

Nossa, V. (1999). Formação do corpo docente dos cursos de graduação em Contabilidade no Brasil: uma análise crítica. Caderno de Estudos, 21, 1- 20.

Nyikahadzoi, L., Matamande, W., Taderera, E., & Maddimika, E. (2013). Determinants of students’ academic performance in four selected accounting courses at University of Zimbabwe. Research in Higher Education Journal, 21, 1- 9.

Oatley, K., & Nundy, S. (2000). Repensando o papel das emoções na educação. In D. Olson, & N. Torrance (Orgs.), Educação e desenvolvimento humano: novos modelos de aprendizagem, ensino e escolarização (pp. 217-230). Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, M. D. de, & Melo-Silva, L. L. (2010). Estudantes universitários: a influência das variáveis socioeconômicas e culturais na carreira. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional - SP, 14(1), 23-34.

Paiva, M., & Boruchovitch, E. (2014). Revisitando a Teoria Atribucional: compreendendo as relações interpessoais em sala de aula. Itinerarius Reflectionis, 10(2).

Rezende, M. S., Miranda, G. J., Pereira, J. M., & Cornachione, E. B., Jr. (2017). Stress e desempenho acadêmico na pós-graduação stricto sensu em Ciências Contábeis no Brasil. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 25(96). http://dx.doi.org/10.14507/epaa.25.2931

Rodgers, J. R. (2001). A panel-data study of the effect of sutedent attendance on university performance. Australian Journal of Education, 45(3), 284-295.

Sadalla, A. M. F. A., & Azzi, R. G. (2004). Contribuições da afetividade para a educação. In L. E. L. R. do Valle (Org.), Temas multidisciplinares de neuropsicologia e aprendizagem (4a ed., pp. 343-354). São Paulo: Robe.

Santos, N. de A. (2012). Determinantes do desempenho acadêmico dos alunos dos cursos de Ciências Contábeis (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, T. D., Pereira, J. M., Miranda, G. J. (2018) O estresse em graduandos em Ciências Contábeis e Administração. Advances in Scientific and Apllied Accounting, 11(2), 330-350.

Vasconcellos, L. (2004). Economia da educação. In P. Avarte, & C. Biderman (Orgs.), Economia do setor público no Brasil (10a ed., Cap. 21, pp.402-418). Rio de Janeiro: Elsevier.

Veiga, F. H., Festas, I., Taveira, C., Galvão, D., Janeiro, I., Conoboy, J., & Nogueira, J. (2014). Envolvimento dos alunos na escola: conceito e relação com o desempenho académico — sua importância na formação de professores. Revista Portuguesa de Pedagogia, 46(2), 31-47.

Volpato, G. (2009). Marcas de profissionais liberais que se tornaram professores referência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 90(225), 333-351.

Weiner, B. (1976). An attributional approach for educational psychology. Review of Research in Education, 4(1), 179-209.

Publicado

18/11/2019

Como Citar

Sousa, Z. A. de S., Ferreira, M. A., & Miranda, G. J. (2019). TEORIA DA ATRIBUIÇÃO DE CAUSALIDADE: PERCEPÇÕES DOCENTES E DISCENTES SOBRE OS DETERMINANTES DO DESEMPENHO ACADÊMICO. Advances in Scientific and Applied Accounting, 1(2), 040–058. https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120203

Edição

Seção

ARTIGOS