A INFLUÊNCIA DO FEDERALISMO FISCAL SOBRE O ESTRESSE FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120304

Palavras-chave:

Federalismo Fiscal, Instabilidade Econômica, Autonomia Fiscal, Estresse Fiscal.

Resumo

O Federalismo Fiscal permeia o elo entre a competência tributária de cada ente federado e a alocação de recursos públicos em função das demandas das comunidades locais, com consequências diretas na condição financeira e na oferta de bens e serviços públicos à sociedade que pode, ainda, sofrer influências das instabilidades econômicas, apontadas pela literatura como fator agravante das conexões fiscais entre os entes federados, contribuindo para o estresse fiscal. Diante disso, esta pesquisa objetivou verificar a influência do federalismo fiscal sobre o estresse fiscal dos municípios brasileiros. Especificamente, analisou se os municípios que eram mais dependentes das relações federalistas eram mais inclinados ao estresse fiscal. Buscou, também, controlar o efeito das instabilidades econômicas do ano anterior no estresse fiscal dos municípios sob a ótica federalista. Avaliou-se, então, o federalismo fiscal por quatro perspectivas: receita e despesa públicas, autonomia dos entes e descentralização fiscal, bem como as instabilidades econômicas pela variação real do PIB trimestral. A amostra constituiu-se de municípios brasileiros entre os anos de 2006 a 2016, representando 50.260 observações. Para a análise empírica, utilizou-se a regressão logística a partir de dados em painel. Os resultados do estudo indicaram que os municípios fiscalmente estressados sofreram influência estatisticamente positiva e significante do federalismo fiscal e dos períodos de baixo crescimento, apontando os efeitos da centralização das receitas e descentralização das despesas pregadas pelo federalismo fiscal, além da acentuação dessa relação em épocas de instabilidade econômica. Deste modo, em termos gerais, a pesquisa concluiu que quanto maior a dependência fiscal dos municípios analisados, mais predispostos esses municípios estavam ao estresse fiscal, especialmente em épocas de instabilidade econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barro, S. M. (1978). The urban impacts of federal policies: fiscal conditions. Santa Monica: The Rand Corporation.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

Brasil. (2000). Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

Bowman, W.; Calia, R. (1997). Evaluating local government financial health. Chicago: The Civic Federation.

Carvalho, D. F. (1998). Federalismo, Reforma Fiscal e Desigualdades Regionais no Brasil. Papers do NAEA.

Clark, T. N. (1977). Fiscal management of American cities: Funds flow indicators. Journal of Accounting Research.

Clark, T. N. (1994). Municipal fiscal strain: Indicators and causes. Government Finance Review.

Dinapoli, T. P. (2013). Fiscal Stress Drivers and Coping Strategies. New York: Office of the New York State Comptroller, Division of Local Government and School Accountability.

Fiori, J. L. (1995). O Federalismo Diante do Desafio da Globalização. In: A Federação em Perspectiva. São Paulo, SP.

Groves, S. M; & Valente G. (2003). Evaluating financial condition: o handbook for local government. Washington: The international City/Country Management Association – ICMA.

Hayes, T. W. (1990). Debt indicators and criteria for the assessment of California’s total outstanding public debt. California: California Debt Advisory Commission.

Hendrick, R. M. (2011). Managing the Fiscal Metropolis: The Financial Policies, Practices, and Health of Suburban Municipalities. Georgetown University Press.

Hsiao, C. (2014). Analysis of panel data. Cambridge University press.

Lima, S. C. de; Diniz, J. A. (2016). Contabilidade Pública: Análise Financeira Governamental. (1ª ed.) São Paulo: Atlas.

Mendes, M. (2004). Federalismo fiscal. Economia do Setor Público no Brasil.

Miller, G. J. (2001). Fiscal Health in New Jersey’s Largest Cities. Cornwall Center Publication Series.

Oates, W. E. (1972). Fiscal Federalism. New York, USA: Harcourt Brace Jovanovich.

Oates, W. E. (1999). An essay on fiscal federalism. Journal of economic literature.

Poterba, J. M. (1994). State Response to Fiscal Crises: The Effects of Budgetary Institutions and Politics. Journal of Political Economy.

Prohl, S., & Schneider, F. (2009). Does decentralization reduce government size? A quantitative study of the decentralization hypothesis. Public Finance Review.

Rodden, J. (2003). Reviving Leviathan: fiscal federalism and the growth of government. International Organization.

Rodden, J. (2004). Comparative federalism and decentralization: On meaning and measurement. Comparative politics.

Rodrigues, M. B. (2007). Diversidade, políticas públicas e administração de empresas. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia.

Stanley, D. T. Levine, C. H. (1980). Managing fiscal stress: the crises in the public sector. Chatham House Publishers: New Jersey.

Stewart, Kitty. (2000). Fiscal federalism in Russia: intergovernmental transfers and the financing of education.

Tiebout, C. M. (1956). A pure theory of local expenditures. The journal of political economy.

Wooldridge, P. D. (2006). The changing composition of official reserves.

Zhang, T., & Zou, H. F. (1998). Fiscal decentralization, public spending, and economic growth in China. Journal of Public Economics.

Publicado

23/01/2020

Como Citar

Dantas Junior, A. F., Diniz, J. A., & de Lima, S. C. (2020). A INFLUÊNCIA DO FEDERALISMO FISCAL SOBRE O ESTRESSE FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. Advances in Scientific and Applied Accounting, 1(3), 062–078. https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120304

Edição

Seção

ARTIGOS