COMPORTAMENTO ASSIMÉTRICO DOS CUSTOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA

Autores

  • Fernando Richartz UFSC
  • Altair Borgert UFSC
  • Rogério João Lunkes UFSC

Palavras-chave:

Sticky Costs. Empresas brasileiras. Mão de obra. Custos fixos.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é identificar a relação entre dois tipos de gastos – os gastos com mão de obra e os custos fixos – com o nível de assimetria dos custos totais frente às variações das receitas em empresas brasileiras listadas na BM&FBOVESPA. Para a análise dos Sticky Costs (custos assimétricos), procedeu-se a um estudo do tipo levantamento com dados de 136 empresas ao longo de 10 anos o que resulta num conjunto de 1.360 observações. Em relação a análise geral das variáveis observa-se que quando a Receita Líquida de Vendas (RLV) aumenta 1% os custos totais aumentam 0,882%; e quando a RLV reduz 1% os custos totais reduzem 0,844%. Na sequência, para os gastos com mão de obra, dividiu-se as empresas em dois grupos. Verificou-se que os gastos com mão de obra mais elevados (cluster 1) não influenciam na assimetria dos custos totais das empresas, no entanto, percebe-se maior rigidez nas variações. Já, no cluster 2 (formado pelas empresas com menor proporção de custo com mão de obra no custo total) os custos totais apresentam maior variabilidade. Por fim, observa-se que o grau de imobilização (custo fixo/custo total) não afeta o nível de assimetria dos custos das empresas brasileiras. Mas, percebe-se que a assimetria é um pouco maior nas empresas com maior participação de custo fixo (cluster 1), e que nas empresas do cluster 2 (formado pelas empresas com menor grau de imobilização) os custos totais variam praticamente na mesma proporção da RLV

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Richartz, UFSC

Bacharel em Ciências Contábeis (2010) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre em Contabilidade (2013) pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da UFSC e atualmente doutorando em Contabilidade pela UFSC.

Altair Borgert, UFSC

Bacharel em Ciências Contábeis (1988), mestre em Administração (1991) e doutor em Engenharia de Produção (1999) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Associado do Departamento de Ciências Contábeis e do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina.

Rogério João Lunkes, UFSC

Possui graduação em Ciências Contábeis, mestrado e doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil) e pós-doutorado em Contabilidade pela Universidade de Valência (Espanha). Professor do Departamento de Ciências Contábeis e Pós-Graduação em Contabilidade e Administração da Universidade Federal de Santa Catarina.

Publicado

29/12/2014

Como Citar

Richartz, F., Borgert, A., & Lunkes, R. J. (2014). COMPORTAMENTO ASSIMÉTRICO DOS CUSTOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(3), 339–361. Recuperado de https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/184

Edição

Seção

ARTIGOS