CUSTOS DA QUALIDADE EM HOSPITAIS ACREDITADOS

Autores

  • Katia Abbas Universidade Estadual de Maringá
  • Paulo Henrique Rezende da Silva Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá (2012), especialização em Gestão de Empresas e de Negócios pelo Centro Universitário de Maringá - Unicesumar, e Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, na linha de pesquisa de Contabilidade Gerencial (UEM). http://orcid.org/0000-0002-2571-7660
  • Marcia Maria Dos Santos Bortolocci Espejo Universidade Federal do Mato Grosso do SUL (UFMS) https://orcid.org/0000-0002-9081-781X
  • Leticia Matiolli Grejo Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR - Apucarana) http://orcid.org/0000-0003-4809-8994

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130103

Palavras-chave:

Custos da qualidade, Custos de controle, Custos de falhas de controle, Hospitais acreditados.

Resumo

Esse estudo tem como objetivo identificar como os gestores percebem a ocorrência dos custos da qualidade em termos de intensidade nos hospitais foco do estudo. Para tanto, a estratégia de pesquisa utilizada é o estudo de caso múltiplo, envolvendo dois hospitais: um de natureza filantrópica, localizado em Foz do Iguaçu-PR, e outro de natureza privada, localizado em Porto Alegre-RS. A coleta de dados abrange 27 entrevistas semi-estruturadas, além de observações diretas e análises documentais. Verifica-se que a ocorrência dos Custos da Qualidade ocupa ainda pouco espaço perante o ambiente hospitalar devido, dentre outros fatores, à complexidade do sistema, à falta de necessidade desse tipo de informação enxergada em meio às decisões e à falta de precisão na mensuração de alguns custos ocultos, tal como as atitudes tomadas frente às reclamações dos clientes. Ainda, foi possível constatar que, em grande maioria, esses custos não são mensurados e controlados em valor monetário. Apenas os já registrados pela Contabilidade são observados mais claramente pelos gestores, não havendo esforços adicionais na exploração dos custos ocultos de qualidade. As causas disso seriam, dentre outras, a falta de necessidade dessas informações em meio ao processo decisório e a carência gerencial contábil no fornecimento dessas informações. Os custos de prevenção foram os mais percebidos, principalmente no que se refere a treinamentos, manutenções preventivas e aquisição de tecnologias, custos tangíveis e já existentes na Contabilidade. Os custos de avaliação, falhas internas e falhas externas apresentaram percentuais menores no que tange à ocorrência, uma vez que nessas categorias, muitos dos elementos de custos são involuntários e difíceis de mensurar e controlar, como retrabalhos, custos com auditoria do sistema de qualidade e mensuração de prejuízo psicológico gerado ao paciente. Como limitações destaca-se a generalização dos dados, já que envolve dois hospitais acreditados apenas, e assim, em outras organizações as constatações poderiam ser outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Abbas, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá (1996), mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Atualmente sou professora do curso de graduação e pós-graduação (mestrado) em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Maringá e atuo principalmente nos seguintes temas: gestão estratégica de custos, gestão de custos e custos hospitalares.

Marcia Maria Dos Santos Bortolocci Espejo, Universidade Federal do Mato Grosso do SUL (UFMS)

Possui Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Maringá, na linha de pesquisa de Contabilidade Gerencial (2016) e graduação em Ciências Contábeis também pela Universidade Estadual de Maringá (2013). Atualmente é professora na Universidade Estadual do Paraná (campus Apucarana). 

Referências

Alonso, L. B. N., Droval, C., Ferneda, E., & Emídio, L. (2014, julho). Acreditação hospitalar e a gestão da qualidade dos processos assistenciais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(2), pp. 34-49.

Azevedo, D. L., Oliveira, L. Z., Rocha, R. A. de, & Pistóia, L. C. (2002). Gestão da mudança na saúde – a acreditação hospitalar. Em ABEPRO – Associação Brasileira de Engenharia de Produção (Org.). Encontro Nacional de Engenharia de Produção (pp. 1-7). Curitiba, PR: ABEPRO.

Barreto, M. da G. P. (2008). Controladoria na gestão: a relevância dos custos da

qualidade. São Paulo: Saraiva.

Berwick, D. M., Godfrey, A. B., & Roessner, J. (1994). Melhorando a qualidade dos

serviços médicos, hospitalares e da saúde. Rio de Janeiro: Makron books.

Bonato, V. L. (2011). Gestão de qualidade em saúde: melhorando assistência ao

cliente. Revista o mundo da saúde, 35(5), pp. 319-331.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração.

(7a. ed.). (L. de O. da Rocha, Trad.). Porto Alegre: Bookman.

Couto, R. C., & Pedrosa, T. M. G.(2007). Hospital: acreditação e gestão em saúde.

(2ª. ed.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Deming, W. E. (2003). Saia da crise. Rio de Janeiro: Futura.

Duarte, M. S. da M. (2011). O processo de acreditação: estudo sobre a construção

coletiva da melhoria da gestão da qualidade em saúde. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Feigenbaum, A. V. (1994). Controle da qualidade total. (Vol. 1). (R. C. Laverri, Trad.).

São Paulo: Makron Books. (Obra original publicada em 1994).

Garvin, D. A. (2002). Gerenciando a qualidade: a visão estratégica e competitiva. (J.

F. B. de Souza, Trad.). Rio de Janeiro: Qualitymark.

Gil, A. C. (2012). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Juran, J. M. (2009). A qualidade desde o projeto: novos passos para o planejamento

da qualidade em produtos e serviços. (N. Montingelli Jr., Trad.). São Paulo: Cengage Learning.

Kaplan, R., & Cooper, R. (1998). Custo e desempenho: administre seus custos para

ser mais competitivo. Tradução de O.P. Traduções. São Paulo: Futura.

Kerlinger, F. N. (1980). Metodologia da Pesquisa em Ciências Sociais: um

tratamento conceitual. (H. M. Rotundo, trad.). São Paulo: EPU - Editora Pedagógica e universitária.

Koche, J. C. (2012). Fundamentos de metodologia cientifica: teoria da ciência e

iniciação à pesquisa. (30ª. ed.). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Kluck, M., Guimarães, J. R., Ferreira, J., & Prompt, C. A. (2002, julho). A gestão da

qualidade assistencial do hospital de clínicas de Porto Alegre: implementação e validação de indicadores. RAS – Revista de Administração em Saúde, 4(16), pp. 27- 32.

Luz, J. R. M. (2011). Gestão estratégica baseada na qualidade e nos custos da

qualidade: Um estudo no setor de construção civil da cidade de Campina Grande – PB. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Mamédio, D. F. (2014, 7 de outubro). Isomorfismo institucional em organizações de

saúde: a gestão do processo de acreditação hospitalar. Em ABEPRO – Associação Brasileira de Engenharia de Produção (Org.). Encontro Nacional de Engenharia de Produção (1-14). Curitiba, PR: ABEPRO.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. (5ª. ed.). São Paulo:

Atlas.

Martins, G. de A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica

para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Mehrotra, R., & Kumar A. (2013, abril). Quality & cost of healthcare: an Indian view

of quality through hospitals. International Journal of Advanced Research in Computer Science and Software Engineering, 3(4), pp. 485-494. DOI: 10.21275/23197064

Mezomo, J. C. (2001). Gestão da qualidade na saúde: princípios básicos. (1ª. ed.).

São Paulo: Manole.

Miguel, P. A. C. (2001). Qualidade: enfoques e ferramentas. São Paul: Artliber

Editora.

Nakagawa, M. (2010). Gestão estratégica de custos: conceitos, sistemas e

implementação. (1a. ed.). São Paulo: Atlas.

Nogueira, R. P. (1994). Perspectivas da Qualidade em Saúde. Rio de Janeiro:

Quality Mark.

Oliveira, O. J. (Org.). (2004). Gestão da qualidade: tópicos avançados. São Paulo:

Pioneira Thomson Learning.

Pinto, L. J. S. (2012). Produção cientifica sobre custos da qualidade e da não

qualidade no Brasil: um estudo bibliométrico nos principais livros, revistas acadêmicas e congressos na área de Ciências Contábeis. ReCont Registro Contábil, 3(2), 2, pp. 60-74.

Portulhak, H. (2013). Proposta de modelagem conceitual do public value scorecard

como instrumento integrado ao planejamento estratégico de um hospital universitário federal. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Richardson, R. J. (2015). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3ª. ed.). São Paulo:

Atlas.

Robles, A. Júnior. (2003). Custos da qualidade: aspectos econômicos da gestão da

qualidade e da gestão ambiental. (2ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Sakurai, M. (1997). Gerenciamento integrado de custos. (1ª ed.). Tradução:

Adalberto Ferreira das Neves. São Paulo: Atlas.

Shank, J. K., & Govindajaran, V. (1997). A revolução dos custos: como reinventar e

redefinir sua estratégia de custos para vencer em mercados crescentemente

competitivos (2ª. ed.). (L. O. C. Lemos, Trad.). Rio de Janeiro: Campus. (Obra original publicada em 1993).

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração da produção.

Tradução: Maria Tereza Corrêa de Oliveira. (3ª ed). São Paulo: Atlas.

Stake, R. E. (1995). The art of case study research. Thousand OAKS, London: Sage

Publications.

Stake, R. E. (2006). Multiple case study analysis. New York: Guilford.

Vecina, G. Neto, & Malik, A. M. (2014). Gestão em saúde. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan.

Publicado

22/04/2020

Como Citar

Abbas, K., da Silva, P. H. R., Dos Santos Bortolocci Espejo, M. M., & Matiolli Grejo, L. (2020). CUSTOS DA QUALIDADE EM HOSPITAIS ACREDITADOS. Advances in Scientific and Applied Accounting, 13(1), 044–067. https://doi.org/10.14392/ASAA.2020130103

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)