A CERTIFICAÇÃO ISO 14001 E O ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120309

Palavras-chave:

Certificação, ISO 14001, Endividamento, B3, Compliance

Resumo

A certificação ISO 14001 compreende um conjunto de normas ambientais, vista como uma das soluções para alcançar a responsabilidade ambiental, aumentando a competitividade das Companhias no mercado nacional e internacional. Assim, esta pesquisa tem por objetivo verificar a relação da implantação do sistema de gestão ambiental (SGA) - ISO 14001 com o endividamento das empresas brasileiras listadas na B3. Para mensurar esse efeito foi utilizada a análise de regressão em painel com estimação dif-in-dif e o teste de média para duas populações. A fonte dos dados utilizada foram demonstrações financeiras das empresas listadas na B3, disponibilizadas pela Economática e informações sobre as certificações disponíveis nos sites das empresas referente ao período de 1996 a 2016. A amostra inicial foi de 8.400 observações em 400 empresas, posteriormente reduzidas para 2.400. Os resultados encontrados apontam evidências de que a certificação ISO 14001 afeta o endividamento de longo prazo de forma positiva e o de curto prazo de forma negativa, ou seja, as empresas com certificação ISO 14001 estão substituindo financiamento de curto por financiamento de longo prazo. Este pode ser resultado de um aumento de confiança devido ao compliance trazido pela certificação ISO 14001.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Enezio Mariano da Costa, Fucape Business School

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School

Valcemiro Nossa, Fucape Business School

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP

Silvania Neris Nossa, Fucape Business School

Doutora em Ciências Contábeis e Administração pela Fucape Business School

Vania Maria da Costa Borgerth, Fucape Business School

Mestre em Administração pelo IBMEC-RJ

Referências

Alberton, A., & Costa Jr, N. C. A. D. (2007). Meio ambiente e desempenho econômico-financeiro: benefícios dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGAs) e o impacto da ISO 14001 nas empresas brasileiras. RAC-Eletrônica, 1(2), 153-171.

Antoniou, A., Guney, Y., & Paudyal, K. (2002). Te determinants of corporate debt maturity structure. Anais do Annual Conference Paper n.802 - EFMA 2003 Helsinki Meetings.

Barbosa, G. S. (2008). O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, 4(1), 1-11.

Barros, C. M. E., da Silva, P. Y. C., & Voese, S. B. (2015). Relação entre o custo da dívida de financiamentos e governança corporativa no Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(2).

BMF&BOVESPA – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo. Novo Mercado. Recuperado em 8 fevereiro, 2017, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/servicos/solucões-paraempresas/ segmentos-de-listagem/ novo-mercado. aspx? idioma=pt-br.

Cellier, A., & Chollet, P. (2016). The effects of social ratings on firm value. Research in International Business and Finance, 36, 656-683, doi: 10.1016/j.ribaf.2015.05.001

Christmann, P. (2000). Effects of “best practices” of environmental management on cost advantage: The role of complementary assets. Academy of Management journal, 43(4), 663-680. DOI: 10.2307/1556360

Coulson, A. B. (2009). Business Strategy & the Environment (John Wiley & Sons, Inc). 18(3), 149-161, doi: 10.1002/bse.584

Dal Magro, C.B., Di Domenico, D., Utzig, M. J.S., Lavarda, C. E.F., & Mazzioni, S. (2012). Responsabilidade Social nas Empresas Listadas na BM&FBOVESPA. Gestão & Planejamento-G&P, 13(3), 746-765.

DAMASCENO, Felipe Storch. (2019). Essays on information disclosure: impairment theory, trade credit and voluntary disclosure behavior. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis e Administração) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitoria, 2019.Deliberal, J. P., Cucchi, M. B., Tisott, P. B., & Tondolo, V. A. G. (2013). Gestão ambiental como ferramenta para o aumento da competitividade e desempenho econômico. Tekhne e Logos, 4(3), 17-29.

El Ghoul, S., Guedhami, O., Kwok, C. C., & Mishra, D. R. (2011). Does corporate social responsibility affect the cost of capital?. Journal of Banking & Finance, 35(9), 2388-2406, doi: 10.1016/j.jbankfin.2011.02.007

Erragragui, E. (2017). Do creditors price firms’ environmental, social and governance risks?. Research in International Business and Finance. 45(c) (197-207, doi: 10.1016/j.ribaf.2017.07.151

Faroni, W., Silveira, S. D. F.R, Magalhães, E. A. D., & Magalhães, E. M. D. (2010). A contabilidade ambiental em empresas certificadas pelas normas ISO 14001 na região metropolitana de Belo Horizonte-MG. Revista Árvore, 34(6), 1119-1128. DOI: 10.1590/S0100-67622010000600018

Ferron, R. T., Funchal, B., Nossa, V., & Teixeira, A. J. (2012). Is ISO 14001 certification effective?: an experimental analysis of firm profitability. BAR-Brazilian Administration Review, 9(SPE), 78-94. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-76922012000500006

França, C. J., Nossa, V., Nossa, S. N., & Funchal, B. (2015). Efeito Heterogêneo da ISO 14001 no Retorno Anormal. Revista Universo Contábil, 11(4), 63-81, 2015. DOI: 10.4270/ruc.2015432.

Freguete, L.M., Nossa, V., & Funchal, B. (2015). Responsabilidade social corporativa e desempenho financeiro das empresas brasileiras na crise de 2008. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 19(2), 232-248, 2015. DOI: 10.1590/1982-7849rac20151873

Gibson, K., & Tierney, J. M. (2011). The evolution of environmental management systems: Back to basics. Environmental Quality Management, 21(1), 23-37. DOI: 10.1002/tqem.20306

Harris, M., & Raviv, A. (1991). The theory of capital structure. the Journal of Finance, 46(1), 297-355. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1991.tb03753.x

Heras-Saizarbitoria, I., Molina-Azorín, J. F., & Dick, G. P. (2011). ISO 14001 certification and financial performance: selection-effect versus treatment-effect. Journal of Cleaner Production, 19(1), 1-12, doi: 10.1016/j.jclepro.2010.09.002

Hikichi, S. E., Salgado, E. G., & Beijo, L. A. (2016). Análise do nível de intensidade de certificações no padrão ISO 14001: tendências para o continente americano. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 38, 769-785, 2016. DOI: 10.5380/dma.v38i0.44927

Johnson, S. A. An empirical analysis of the determinants of corporate debt ownership structure. Journal of Financial and Quantitative Analysis, v. 32, n. 1, p. 47-69, 1997. DOI: 10.2307/2331316

Leandro, J. C. (2006). Determinantes da estrutura de capital no Brasil para empresas de capital aberto e fechado. Dissertação (Mestrado) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, Brasil.

Lemer, V. P. (2015). Panorama da certificação ISO 14001 em empresas no Estado do Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental). Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Matuszak-Flejszman, A. 2009. Benefits of Environmental Management System in Polish Companies Compliant with ISO 14001. Polish Journal of Environmental Studies, 18(3): 411-419.

Mazzioni, S., Tinoco, J. E. P., & Oliveira, A. B. S. (2007). Proposta de um modelo de balanço social para fundações universitárias. BASE: Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, 4(3), 274-285.

Mengze, H., & Wei, L. (2015). A Comparative Study on Environment Credit Risk Management of Commercial Banks in the Asia‐Pacific Region. Business Strategy and the Environment, 24(3), 159-174, doi: 10.1002/bse.1810

Meyer, B. D. (1995). Natural and quasi-experiments in economics. Journal of Business & Economic Statistics, 13(2), 151-161, DOI: 10.2307/1392369

Moreira, M. S. (2006). Estratégia e Implantação do Sistema de Gestão Ambiental (Modelo ISO 14000). Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços Ltda.

Moura, A. A. F., Nascimento, F. S. P., & Luca, M. M. M. (2010). Evidenciação voluntária de informações sociais por empresas de capital aberto sediadas nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil: um estudo com base nos indicadores de responsabilidade social corporativa da ONU. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, BH, Brasil, 17.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. The journal of finance, 39(3), 574-592, DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1984.tb03646.x

Nunes, E. (1997). A gramática política do Brasil - clientelismo e insulamento burocrático (3a ed.). Jorge Zahar: Rio de Janeiro; ENAP: Brasília.

Oliveira, J.A. (2011). Um estudo sobre a relação do sistema de gestão ambiental ISO 14001 com a adoção de procedimentos de produção mais limpa em empresas industriais brasileiras. 178 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Faculdade de Engenharia de Bauru, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru.

Oliveira, O.J., & Serra, J.R. (2010). Benefícios e dificuldades da gestão ambiental com base na ISO 14001 em empresas industriais de São Paulo. Produção, 20(3), 429-438, DOI: 10.1590/S0103-65132010005000013.

Oliveira, O. J., & Pinheiro, C. R. M. S. (2009). Best practices for the implantation of ISO 14001 norms: a study of change management in two industrial companies in the Midwest region of the state of São Paulo, Brazil. Journal of Cleaner Production, 17(9), 883-885, DOI: 10.1016/j.jclepro.2008.12.008

Perobelli, F., & Famá, R. (2003). Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração, 37(3).

Pombo, F. R., & Magrini, A. (2008). Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil. Revista Gestão e Produção, 15(1), 1-10. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2008000100002.

Raful, N. F., Juchem, D. M., & Cavalheiro, M. E. (2010). Gestão Ambiental como diferencial competitivo empresarial. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, 6(2),126-141. DOI: 10.3895/S1808-04482010000200007

Rajan, R. G.; Zingales, Luigi. What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460, 1995. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1995.tb05184.x

Ramos, F. B., Álvares, I. M., Souza, M. T. S. de, & Pereira, R. S. (2006). Certificação ISO 14000: Análise do Sistema de Gestão Ambiental da Ford Motor Company. RAI – Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 3(2), 62-82.

Rao, P., & Holt, D. (2005). Do green supply chains lead to competitiveness and economic performance? International Journal of Operations & Production Management, 25(9/10), 898. DOI 10.1108/01443570510613956

Santos, D. S., & Seiffert, M. E. (2006). Certificação ISO 14001: contribuições para a análise benefício /custo do processo. Anais do Encontro de Iniciação Científica, São José dos Campos, SP, Brasil, 6.

Sharfman, M. P., & Fernando, C. S. (2008). Environmental risk management and the cost of capital. Strategic management journal, 29(6), 569-592, doi: https://doi.org/10.1002/smj.678

Shan, M., You, J., Wang, Y., & Liu, H. (2015). A Process Model of Building Sustainable Competitive Advantage for Multinational Enterprises: An Empirical Case Study. (2015). Problemy Ekorozwoju – Problems of Sustainable Development, 10(1), 67-78.

Stefan, A., & Paul, L. (2008). Does it pay to be green? A systematic overview. The Academy of Management Perspectives, 22(4), 45-62, doi: 10.5465/AMP.2008.35590353.

Song, H., Zhao, C., & Zeng, J. (2017). Can environmental management improve financial performance: An empirical study of A-shares listed companies in China. Journal of cleaner production, 141, 1051-1056, doi: 10.1016/j.jclepro.2016.09.105

Sun, W., & Cui, K. (2014). Linking corporate social responsibility to firm default risk. European Management Journal, 32(2), 275-287, doi: 10.1016/j.emj.2013.04.003

Teixeira, E. A., Nossa, V., & Funchal, B. (2011). O Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 22(55), 29-44. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772011000100003

Titman, S., & Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. Journal of Finance, 43(1), 1-19. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1988.tb02585.x

Vasi, I. B., & King, B. G. (2012). Social movements, risk perceptions, and economic outcomes: The effect of primary and secondary stakeholder activism on firms’ perceived environmental risk and financial performance. American Sociological Review, 77(4), 573-596, doi: 10.1177/0003122412448796

Vieira Filho, C. J. (2015). Determinantes da estrutura de dívidas das empresas brasileiras. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Administração de Empresas, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças – FUCAPE.

Zhu, Q., Cordeiro, J., Sarkis, J. (2013). Institutional pressures, dynamic capabilities and environmental management systems: Investigating the ISO 9000 – environmental management system implementation linkage. Journal of Environmental Management, 114: 232-242, DOI: 10.1016/j.jenvman.2012.10.006

Publicado

23/01/2020

Como Citar

da Costa, E. M., Nossa, V., Nossa, S. N., & Borgerth, V. M. da C. (2020). A CERTIFICAÇÃO ISO 14001 E O ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS. Advances in Scientific and Applied Accounting, 1(3), 159–176. https://doi.org/10.14392/ASAA.2019120309

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)