CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO BRASILEIROS: UMA ANÁLISE À LUZ DOS FORMULÁRIOS DE REFERÊNCIA

Authors

  • Talles Vianna Brugni FUCAPE Business School http://orcid.org/0000-0002-9025-9440
  • Luiz Paulo Lopes Fávero Professor Titular da FEA/USP
  • Marcelo Cabús Klotzle Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Antonio Carlos Figueiredo Pinto Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Keywords:

Conselho de Administração. Formulários de Referência. Remuneração. Formação.

Abstract

Esta pesquisa tem caráter descritivo e analisou, por intermédio de análise documental, 32 características distintas dos Conselhos de Administração brasileiros em 414 empresas, objetivando explorar de forma crítica, descritiva e ampla como essas estruturas estão configuradas e como têm se comportado ao longo dos últimos anos. A leitura, interpretação e análise dos 10.893 currículos de conselheiros de administração efetivos, além de outras informações qualitativas sobre os Conselhos de Administração contidas nos Formulários de Referência entre os períodos de 2010 e 2014 permitiram traçar o perfil dos conselheiros brasileiros e suas variações ao longo dos últimos anos, subsidiando discussões acerca de suas estruturas de funcionamento, contratos de remuneração, formação técnica e acadêmica, experiência em outros conselhos e outras dezenas de características no contexto nacional, fornecendo subsídios importantes para pesquisas futuras que busquem analisar o relacionamento de determinados fenômenos com os conselhos brasileiros.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Abersoch, L. D. (2011). Women on boards. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/31480/11-745-women-on-boards.pdf>, acessado em 02 de fevereiro de 2016.

Almeida, J. E. F. An exploration of boards of directors’ quality: the development of an index for directors’ attributes and the relation with firm value and performance. Corporate Board: Role, Duties and Composition. 7(2), p. 51-63, 2011. https://doi.org/10.22495/cbv7i2art4

Alves, P., Couto, E. B., & Francisco, P. M. (2015). Board of directors’ composition and capital structure. Research in International Business and Finance, 35, 1-32. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2015.03.005

Aragão, L. A., & Cavalcante, D. S. (2014). Qualidade das informações do formulário de referência nas empresas brasileiras listadas no novo Mercado da BM&FBOVESPA. Revista de Administração, Contabilidade e Economia - RACE, 13(3), 1089-1118.

Arrow, K. E. (1974). The limits of organization. New York.

Baran, L., & Forst, A. (2015). Disproportionate insider control and board of director characteristics. Journal of Corporate Finance, 35, 62-80. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2015.08.006

Brasil. Lei das Sociedades por Ações. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404consol.htm>.

Brasil. Lei nº 6.404, de 26 de setembro de 1940. Dispõe sobre as sociedades por ações. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2627.htm>.

Bebchuk, L. A., & Weisbach, M. S. (2010). The state of corporate governance research. Review of Financial Studies, 23(3), 939-961. https://doi.org/10.1007/978-3-642-31579-4_14

Brick, I. E., & Chidambaran, N. K. (2010). Board meetings, committee structure, and firm value. Journal of corporate finance, 16(4), 533-553. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2010.06.003

Broni, G., & Velentzas, J. (2012). Corporate Governance, Control and Individualism as a Definition of Business Success. The Idea of a “Post-Heroic” Leadership. Procedia Economics and Finance, 1, 61-70. https://doi.org/10.1016/s2212-5671(12)00009-3

Brugni, T. V., Bortolon, P. M., de Almeida, J. E. F., & Paris, P. K. S. (2013). Corporate governance: A panoramic view of Brazilian boards of directors. International Journal of Disclosure and Governance, 10(4), 406-421. https://doi.org/10.1057/jdg.2013.22

Brugni, T. V. (2012). Conselhos de administração: uma análise das suas características e impacto sobre as firmas no mercado acionário brasileiro. 100f. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo.

Brugni, T. V. (2016). Governança corporativa, conselhos de administração e fiscal e propriedade dos números contábeis no Brasil. 187f. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/t.12.2016.tde-24112016-154235

Cabrera-Suárez, M. K., & Martín-Santana, J. D. (2015). Board composition and performance in Spanish non-listed family firms: the influence of type of directors and CEO duality. BRQ Business Research Quarterly, 18(4), 213-229. https://doi.org/10.1016/j.brq.2014.08.001

Chauhan, Y., Lakshmi, K. R., & Dey, D. K. (2016). Corporate governance practices, self-dealings, and firm performance: Evidence from India. Journal of Contemporary Accounting & Economics, 12(3), 274-289. https://doi.org/10.1016/j.jcae.2016.10.002

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. (2015). Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e altera dispositivos da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. Disponível em . Acesso em: 28 nov. 2015.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. (2014). Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 e altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002 e da Instrução CVM nº 481, de 17 de dezembro de 2009. Disponível em . Acesso em: 28 nov. 2016.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. (2009). Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. Disponível em . Acesso em: 28 nov. 2016.

Dalton, D. R., & Dalton, C. M. (2010). Women and corporate boards of directors: The promise of increased, and substantive, participation in the post Sarbanes-Oxley era. Business Horizons, 53(3), 257-268. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2009.12.004

Dah, M. A., Frye, M. B., & Hurst, M. (2014). Board changes and CEO turnover: The unanticipated effects of the Sarbanes–Oxley Act. Journal of Banking & Finance, 41, 97-108. https://doi.org/10.1016/j.jbankfin.2014.01.006

Dechow, P., Ge, W., & Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50(2), 344-401. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2010.09.001

Deliotte. (2014). Performance Evaluation of Board of Directors.

Fama, E. F., & Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. Journal of law and economics, 26(2), 301-325.

Gall, M. D.; Gall, J. P.; Borg, W. R. (2007). Educational Research: An introduction. 8 ed. Boston: Pearson Education.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Goh, L., & Gupta, A. (2016). Remuneration of non-executive directors: Evidence from the UK. The British Accounting Review, 48(3), 379-399. https://doi.org/10.1016/j.bar.2015.05.001

Hahn, P. D., & Lasfer, M. (2016). Impact of foreign directors on board meeting frequency. International Review of Financial Analysis, 46, 295-308. https://doi.org/10.1016/j.irfa.2015.11.004

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC] (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. 5ª ed.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC] (2014). Perfil dos Conselhos de Administração. Disponível em <http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/2014/files/Pesquisa_Perfil_Conselhos_2016_vfinal.pdf>, acesso em 29/05/2018.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC] (2013). Fundamentos para discussão sobre cotas para mulheres nos conselhos no Brasil. Disponível em <http://www.ibgc.org.br/download/manifestacao/IBGC_Pesquisa_CotasMulheres.pdf>, acesso em 02/12/2015.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC] (2011). Relatório de mulheres na administração das empresas brasileiras listadas – 2010 – 2011. Disponível em < http://www.ibgc.org.br/Download.aspx?Ref=Pesquisas&CodPesquisas=11>, acesso em 02/12/2015.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC] (2010). Caderno de boas práticas para reuniões do conselho de administração. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br/userfiles/9.pdf>. Acesso em 26 de março de 2015.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC] (2010). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4ª ed.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC] (2007). Guia de Orientação para o Conselho Fiscal. 2a Edição. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br/userfiles/1.pdf>. Acesso em 25 de março de 2015.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360.

La Porta, R., Lopez‐de‐Silanes, F., & Shleifer, A. (1999). Corporate ownership around the world. The journal of finance, 54(2), 471-517.

Leblanc, R., Giles, J. (2006). The Coming Revolution in Corporate Governance. Ivey Business Journal, set/out 2003. Disponível em: <http://iveybusinessjournal.com/publication/the-coming-revolution-in-corporate-governance/>, acesso em 23 de março de 2015.

Nobel, C. (2013). How to address the lack of women in the boardroom. Forbes. 14 de janeiro. Disponível em: <http://www.forbes.com/sites/hbsworking-knowledge/2013/01/14/how-to-address-the-lack-of-women-in-the-boardroom/>, acessado em 2 de fevereiro de 2016.

OECD. (2017). Board Evaluation Practices: expeciences from the Latin American Companies Circle. Washington DC.

Pande, Rohini; Ford, Deanna. (2011). Gender quotas and female leadership: A review. World Development Report 2012.

Park, Y. W., & Shin, H. H. (2004). Board composition and earnings management in Canada. Journal of corporate Finance, 10(3), 431-457. https://doi.org/10.1016/s0929-1199(03)00025-7

Pereira, A. N., & Vilaschi, A. (2006). Governança Corporativa e Contabilidade: explorando noções e conexões. Anais do Simpósio FUCAPE de Produção Científica, Espírito Santo, Vitória, Brasil, 4, 102-117.

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3. ed.São Paulo: Atlas.

Sampieri, R. H., Collado, C. F. & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hiill, 2006.

Setia-Atmaja, L., Haman, J., & Tanewski, G. (2011). The role of board independence in mitigating agency problem II in Australian family firms. The British Accounting Review, 43(3), 230-246. https://doi.org/10.1016/j.bar.2011.06.006

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The journal of finance, 52(2), 737-783.

Silveira, A. D. M. D. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. Tese de Doutoramento, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/t.12.2004.tde-23012005-200501

Silveira, A. D. M. D. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. Dissertação de Mestrado, Faculdade de economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/d.12.2002.tde-04122002-102056

Souza, L. de M. (2011). Legibilidade dos Formulários de Referência das Empresas Participantes dos Níveis de Governança Corporativa no Brasil. 8o Congresso USP de Iniciação científica.

Vafeas, N. (1999). Board meeting frequency and firm performance. Journal of financial economics, 53(1), 113-142. https://doi.org/10.1016/s0304-405x(99)00018-5

Zahra, S. A., & Pearce, J. A. (1989). Boards of directors and corporate financial performance: A review and integrative model. Journal of management, 15(2), 291-334. https://doi.org/10.1177/014920638901500208

Zhou, F., Fan, Y., An, Y., & Zhong, L. (2017). Independent directors, non-controlling directors, and executive pay-for-performance sensitivity: Evidence from Chinese non-state owned enterprises. Pacific-Basin Finance Journal, 43, 55-71. https://doi.org/10.1016/j.pacfin.2017.02.003

Zhu, J., Ye, K., Tucker, J. W., & Chan, K. J. C. (2016). Board hierarchy, independent directors, and firm value: Evidence from China. Journal of Corporate Finance, 41, 262-279. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2016.09.009

Published

30/04/2018

How to Cite

Brugni, T. V., Fávero, L. P. L., Klotzle, M. C., & Pinto, A. C. F. (2018). CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO BRASILEIROS: UMA ANÁLISE À LUZ DOS FORMULÁRIOS DE REFERÊNCIA. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 146–165. Retrieved from https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/353

Issue

Section

ARTIGOS