INDUSTRIES FROM THE INDUSTRIAL HUB CUBATÃO: ANALYSIS OF THE METHODS ENVIRONMENTAL MANAGERS APPLY WITH REGARD TO INTERNAL CONTROL AND ENVIRONMENTAL RISK MANAGEMENT PRACTICES

Autores

  • Ivam Ricardo Peleias
  • Roberto Luiz Garcia
  • Elionor Farah Jreige Weffort
  • Francisco Carlos Fernandes

Palavras-chave:

Internal Controls, Risk Management, Environmental Management.

Resumo

The discussions about the frantic growth have motived governmental actions to create laws and regulations aimed at curtailing the neglect of nature. That is the context for the city of Cubatão – State of São Paulo - Brazil, which used to be a landmark of economic growth, but led the region to environmental degradation. The industries located there were under external pressure to adapt, leading to an environmental management process that involves internal controls and risk management. Over the years, this process helped Cubatão receive, in 1992, from the United Nations (UN), the title of symbol of ecology and environmental recovery. Environmental risk management and internal control operation mechanisms and strategies were analyzed in four plants installed in the region before the 1990s, and which helped in the city’s recovery process. The environmental managers from those companies were interviewed. Content analysis, based on constructs obtained in the theory, was used to analyze the data collected in the interviews, to assess the internal control and environmental risk management practices. We found that the strategies to implement internal control and risk management programs were specific; however, the companies used similar processes to detect, mitigate and measure risks, in light of their particularities. An analysis model of these practices was developed, which can be replicated or improved in further research.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivam Ricardo Peleias

FECAP

Roberto Luiz Garcia

Msc in Accountancy at FECAP

Elionor Farah Jreige Weffort

Phd In Accountancy at FEA-USP

Francisco Carlos Fernandes

Phd in Accountancy at FEA-USP

Referências

Anderson, D. R. (1999, Summer). Incorporating risk management into environmental management systems. Society of Chartered Property and Casualty Underwriters.CPCU Journal, 52(2), 115-124.

Assaf Neto, A. (2007) Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (1997). NBR ISO 14001. sistemas de gestão ambiental – Especificação e diretrizes para uso. Rio de Janeiro: ABNT.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (2004). NBR ISO 14001: sistemas de gestão ambiental – requisitos com orientação para uso. Rio de Janeiro: ABNT.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3rd ed.). Lisboa: LDA.

Barragan, L. G. (2005). Controle interno: diagnóstico e interpretação das técnicas para entidades do 3º setor. Dissertação de Mestrado, Fundação Escola de Comércio Alvares Penteado, São Paulo.

Berganini Junior, S. (2005, December). Controles Internos como um Instrumento de Governança Corporativa. Revista do BNDES, 12(24), 149-188.

Bogoni, N. M. (2008). Gestão de risco nas atividades de investimentos praticadas pelos municípios do estado do Rio Grande do Sul em seus regimes próprios de previdência social. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Contábeis, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau.

Boynton, W. C., Johnson, R. N. & Kell, W. G. (2002). Auditoria. (2nd ed.). São Paulo: Atlas.

Brilhante, O. M. & Caldas, L. Q. A. (Coords.). (1999). Gestão e avaliação de risco em saúde ambiental. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Desenvolvimento Ambiental Regional do Estado de São Paulo. Ação da CETESB em Cubatão: situação em Junho de 1994. Relatório Técnico. São Paulo, CETESB, 1994.Committee of Sponsoring Organization of the Treadway Commission – COSO. (1992). Internal control: integrated framework. New York: AICPA.

Committee of Sponsoring Organization of the Treadway Commission – COSO. (2004). Enterprise risk management: integrated framework. Executive Summary. Jersey City: AICPA.

Dagnino, R. S. & Carpi Junior, S. C. (July-December 2007). Risco ambiental: conceitos e aplicações. Climatologia e estudos de paisagem, 2,(2), 50-87.

Dias Filho, J. M., Martin, N. C. & Santos, L. R. (2004). Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo de controladoria. Revista Contabilidade & Finanças, 15(34), 7-22.

Ehrentreich, H. P. (2009). Percepção dos gestores de um grupo de empresas distribuidoras de um fabricante de autopeças sobre controles internos e gestão de risco. Dissertação de Mestrado, Fundação Escola de Comércio Alvares Penteado, São Paulo.

Elkington, J. (1997). Cannibals with forks.The triple botton line of 21st century business. Oxford.

Epstein, M. J. & Roy, M. J. (October, 2001). Sustainability in action: identifying and measuring the key performance drivers. Long Range Planning Journal, 34(15), 585-604.

Farirman, R., Mead, C. D. & Willians, W. P. (2001). Environmental risk assessment: approaches, experiences and information sources. Agency.

Ferreira, B. W. (January-June 2000). Análise de conteúdo. Revista Aletheia, (11), 13-20.

Ferreira, L. G. (2007). A gestão ambiental do polo industrial de Cubatão a partir do programa de controle de poluição iniciado em 1983: atores, instrumentos e indicadores. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, São Paulo.

Gilley, K. M. (November 2000). Corporate environmental initiatives and anticipated firm performance: the differential effects of process-driven versus product-driven greening initiatives. Journal of Management, 26(6), 1199-1216.

Gomes, J. S. & Salas, J. M. A. (1997). Controle de gestão: uma abordagem contextual e organizacional. (3rd ed.). São Paulo: Atlas.

Hart, S. (January-February 1997). Beyond Greening: strategies for a sustainable World. Harvard BusinessReview, 65-76.

Hunt, C. B. & Auster, E. R. (Spring 1995) Proactive environmental management: avoidingthe toxic trap. Sloan Management Review, v. 31,n. 2, p. 7-18.

Imoniana, J. O. & Nahara, J. J. (January-April 2005). Cognição da estrutura de controle interno: uma pesquisa exploratória. Revista de administração e contabilidade da Unisinos, 2(1), 37-46.

Koontz, H. & O’Donnel, C. (1974). Princípios da administração: uma análise das funções administrativas. (10th ed.). São Paulo: Pioneira.

Kraemer, M. E. P. & Tinoco, J. E. P. (2004). Contabilidade e festão ambiental. São Paulo: Atlas.

Martins, G. A. (July-December 2005). Sobre conceitos, definições e constructos nas ciências administrativas. Revista Gestão e Qualidade, 22(62), 28-35.

Migliavacca, P. N. (2004). Controles internos. São Paulo: Edicta.

Miles, M. P.; Covin, J. G. (February 2000). Environmental marketing: a source of reputational, competitive and financial advantage. Journal of Business Ethic, 23, 299-311.

Moeller, R. R. (2007). COSO Enterprise risk management: understanding the new integrated ERM framework. New Jersey: Hoboken.

Moura, L. A. A. (2000). Qualidade e gestão ambiental: sugestões para a implantação das normas ISO 14000 nas empresas. São Paulo: Oliveira Mendes.

Nilsson, W. R. (1998). Services instead of products: experiences from energy markets - examples from Sweden. In Meyer-Krahmer, F. (Ed.). Innovation and sustainable development: lessons for innovation policies. (pp. 115-141). Heidelberg: Physica-Verlag.

North, K. (1997). Environmental business management: an introduction. Geneva: International Labour Office.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Kowalski, F.D.; Fernandes, F.C. & Faria, A. C. (april-june 2010) Análise dos Controles Internos Relacionados às Atividades Ambientais das Cooperativas Catarinenses de Energia Elétrica por meio da Matriz de Importância-Desempenho de Slack. Revista Contabilidade Vista & Revista, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 153-177.

Pablo, A. L., Sharma, S. & Vredenburg, H. (March 1999). Corporate environmental responsiveness strategies: the importance of issue interpretation and organizational context. The Journal of Aplied Behavioral Science, 35, 87-108.

Paul, W. L., Fernandes, F. C., Rodrigues, L. G. B. & Edit, J. (January-April 2007). Riscos e controles internos: uma metodologia de mensuração dos níveis de controles operacionais empresariais. Revista de Contabilidade e Finanças, 18(43), 49-60.

Peleias, I. R., Caetano, G., Parisi, C. & Pereira, A. C. (2013). Produção científica sobre controle interno e gestão de riscos no Enanpad e no Congresso USP: análise bibliométrica no período 2001-2011. Revista Universo Contábil, 9(4), 29-49.

Sanches, C. S. (January-March 2000). Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresas, 40(1), 76-87.

Sandroni, P. (1996). Dicionário de administração e finanças. São Paulo: Best Seller.

Tachizawa, T. (2011). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa. São Paulo: Atlas.

Teets, R. W., Kuhnke, D. B., Bradley, P., Bridegan, G., Chatham, J. L. & Hawkins, C. J. et al. (1994). Applying the risk management process to environmental management. Risk Management, 41(2), 18.

Trapp, A. C. G. (2009). COSO – A relação do conselho fiscal como componente de controle no gerenciamento de resultados contábeis. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Trevizan, G. S. (2002). Auditoria do balanço social das sociedades por ações. Dissertação de Mestrado, Fundação de Escola Comércio Álvares Penteado, São Paulo.

Valle, C. E. D. (1995). Qualidade ambiental: o desafio de ser competitivo protegendo o meio ambiente. São Paulo: Pioneira.

Veyret, Y. & Meschinet de Richemond, N. (2007). O risco, os riscos sociais. In:

Veyret, Y. (Org.) Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. (pp. 23-79). São Paulo: Contexto.

Welford, R. (1994) Cases in environmental management and business strategy. London: Pitman Publishing, p. 80-1.

Welsch, G. A. (1983). Orçamento empresarial. (4th ed.). São Paulo: Atlas.

World Economic Forum. Global Risks 2013. (2013). Switserland. Retrieved from http://www.weforum.org/reports/global-risks-2013-eighth-edition.

Publicado

17/11/2017

Como Citar

Peleias, I. R., Garcia, R. L., Weffort, E. F. J., & Fernandes, F. C. (2017). INDUSTRIES FROM THE INDUSTRIAL HUB CUBATÃO: ANALYSIS OF THE METHODS ENVIRONMENTAL MANAGERS APPLY WITH REGARD TO INTERNAL CONTROL AND ENVIRONMENTAL RISK MANAGEMENT PRACTICES. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(3), 247–266. Recuperado de https://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/264

Edição

Seção

ARTIGOS